O Xperia X1 foi um dos aparelhos mais aguardados do ano. Apesar da extrema qualidade, possui características que fazem com ele atenda a um público bastante específico de consumidores: os caras que precisam de um aparelho bom o suficiente para trabalhar.

O hardware do X1 é bastante robusto, com slot microSD, porta mini USB, entrada para fones no padrão 3,5mm, processador de 528 Mhz, rede 3,5G, Bluetooth, WiFi, GPS, tela WVGA de 800 x 480 pixels, 256MB de RAM e 512 MB para armazenamento de arquivos. Boa parte de seu corpo é construído em metal, com apenas algumas pequenas partes em plástico. A parte traseira tem uma grande tampa em metal e as extremidades emborrachadas, o que ajuda na boa e sólida impressão que tive ao testar este celular.

O teclado possui um slider muito firme e sem folgas, mas senti um pouco de falta das teclas de acentuação e cedilha.  Entretanto, ele é muito bem projetado e fica fácil de usar depois de um tempinho. Vale lembrar que digitação não é tão veloz e fluída como a encontrada no Nokia E71, com seu teclado completo em português e sugestão de palavras, que aprende as expressões que você usa com maior frequência, deixando a digitação muito mais esperta e veloz.. Mesmo assim, o tecldo do X1 é bastante razoável.

A tela é muito boa em ambientes fechados, mas nas áreas externas e com a luz do sol é praticamente impossível de ver alguma coisa! Ela possui uma resposta vibratória no Panel, quando você seleciona alguma miniatura, e o pad tem um sensor que funciona como uma espécie de mouse, mas que não apresentou muita precisão e ocasionalmente até atrapalhou um pouco o uso. Mais uma vez, o tempo de uso é fundamental para que você aprenda bem como usar. Não é exatamente intuitivo, mas fica mais fácil de usar com a prática.

O X1 vem com uma pequena canetinha Stylus. Infelizmente, ela é necessária em vários momentos, já que o Windows Mobile ainda não pode ser operado somente com os dedos o tempo todo, o que nem sempre é muito prático. O aparelho não possui acelerômetro, e a única forma de mudar a orientação da tela é abrindo o teclado físico.

Apesar de estreito, o celular é muito grosso e não passou no teste do bolso, pois na calça jeans deixa qualquer um parecendo o homem berinjela!!
Esperava um desempenho bom da câmera de 3.2 megapixels (afinal, é da Sony!), mas infelizmente não foi o que aconteceu. A velocidade de captação das imagens é lenta, as lentes são fracas e nem o foco automático conseguiu salvar as imagens, que não passavam de razoáveis na maior parte do tempo. O zoom não funciona na resolução máxima de 3m (somente com uma resolução menor), o flash é somente um led sem vergonha que pode ser ligado ou desligado (não pisca, fica ativado direto e é bem fraco), as fotos em macro são difíceis e muitas vezes saem tremidas.

Essa câmera lembra o Nokia N80, sendo que nem mesmo o foco automático conseguiu ajudar a melhorar os resultados das imagens. Os vídeos são nítidos, mas com baixa resolução – 15fps, e ainda existe ainda uma câmera frontal para vídeo conferência.

Por culpa do Windows Mobile, a interface ainda não consegue dispensar a stylus (botões muito pequenos). Em algumas operações é possível controlar e acessar as funções com as pontas dos dedos, mas na maioria das vezes isto não é possível. Aí você tem que apelar para a stylus, o que torna o uso um pouco ruim.
O Panel mostra miniaturas de vários programas e dá o acesso rápido aos mesmos com um único toque. A interface é não é rápida nem fluída, logo, as miniaturas das telas em 3D parecem um pouco engasgadas e lentas na transição do modo retrato para o paisagem.

A parte boa desse novo Sony Ericsson é o escritóriozinho virtual dele. O telefone vem de fábrica com versões pocket do Word, Excel, Power Point, leitor de PDF, One Note, Opera browser, Messenger, Google Maps, Windows Live e Windows Media, o que já faz com que o usuário já trabalhe muito bem com a aparelho logo após sua saída da caixa!!

O GPS não funcionou dentro de casa, nem na janela de meu apartamento, mas após uma longa espera encontrou o sinal dos satélites na área externa de meu prédio. O aparelho vem com o Google Maps instalado, mas não possui nenhuma alternativa com navegação por voz e mapas do Brasil.

A bateria é muito boa (1500mAh), com uma duração considerável. Na parte do áudio, o X1 possui um som dos fones de ouvido muito bom, mas o único alto-falante externo tem um som muito baixo,  comparados com modelos como o N95 e o Innov8.

Em resumo, este aparelho é destinado aos usuários que precisam de um bom aparelho para o trabalho, e gostam da plataforma Windows Mobile, mesmo com sua interface difícil de usar, e que muitas vezes "pede" para usar a canetinha stylus.

UPDATE: O preço do X1, na versão pré-pago, é por volta de R$2 mil.

Pro:

  • Hardware muito bem construído
  • Pacote de aplicativos nativos para o trabalho
  • GPS
  • Teclado QWERTY
  • Tela
  • bateria de 1500 mAh

Contra:

  • Câmera muito fraca
  • zoom não funciona na resolução máxima
  • flash led que acende como lanterna
  • interface fraca (precisa da stylus em vários momentos durante o uso)
  • tamanho do brinquedo no bolso

[RodrigoToledo]