Um dispositivo inovador cheio de pequenas esponjas recentemente salvou a vida de um soldado americano que levou um tiro na perna. Este é o primeiro uso clínico do produto conhecido como XSTAT.

O dispositivo foi aprovado para uso militar em 2014, e este incidente marca a primeira vez que o sistema foi utilizado em uma situação real.

O XSTAT foi desenvolvido pela empresa RevMedx e usado por uma equipe cirúrgica em campo (FST) dos EUA; eles não conseguiam estancar uma hemorragia grave num paciente utilizando técnicas padrão.

O sistema de hemostasia rápida XSTAT funciona bombeando esponjas expansíveis com o tamanho de comprimidos em uma ferida, estancando o sangramento enquanto o paciente é levado para o hospital.

xstat 2

As esponjas são feitas de celulose e revestidas em quitosana, um coagulante e agente antimicrobiano. Elas têm 9,8 mm de diâmetro e cada uma pode absorver 3 ml de sangue. Ao entrar em contato com o sangue, as esponjas crescem em até dez vezes.

Uma vez injetadas, as esponjas se expandem rapidamente e exercem pressão hemostática para interromper o sangramento, preenchendo a ferida em cerca de 15 segundos. Cada esponja contém um marcador de raios-X para confirmar a remoção após uma cirurgia.

No primeiro caso relatado, um soldado sofreu um ferimento de bala na coxa esquerda. Após sete horas de cirurgia malsucedida para parar o sangramento, os médicos decidiram usar o XSTAT. Eis uma descrição detalhada do que aconteceu:

A artéria e veia femoral foram seccionadas, e os danos ao fêmur e aos tecidos moles deixaram uma cavidade considerável na perna. Depois que um torniquete autoaplicado parou o sangramento, o paciente foi transferido até uma FST para avaliação e tratamento.

Após conseguir controle proximal e distal do vaso sanguíneo, várias horas foram gastas pela equipe tentando controlar a hemorragia residual dos vasos ósseos e vasos acessórios.

Ao longo da cirurgia de cerca de 7 horas, várias tentativas de utilizar cera para osso e cauterização nos locais de sangramento foram frustradas, e o paciente recebeu múltiplas transfusões de sangue e de plasma.

No fim, a equipe FST optou por usar o XSTAT e aplicar um único dispositivo na cavidade femoral, resultando em hemostasia quase imediata. O paciente foi estabilizado e, depois, transportado para uma unidade de cuidados definitivos.

Assim, em seu primeiro teste verdadeiro, o sistema XSTAT funcionou perfeitamente. Andrew Barofsky, presidente e CEO da RevMedx, ficou claramente contente com este resultado inicial. “Estamos satisfeitos em ver o XSTAT desempenhar um papel crítico em salvar a vida de um paciente, e espero ver avanços significativos para uma maior adoção do XSTAT no tratamento de hemorragias graves em ambiente pré-hospitalar”, diz Barofsky em comunicado.

E parece que os desejos de Barofsky se tornarão realidade em breve. No ano passado, a FDA (órgão americano semelhante à Anvisa) aprovou o XSTAT para uso na população em geral. Dado este bom primeiro resultado, equipes de emergência agora podem estar mais confiantes com este dispositivo pouco ortodoxo, já que ele realmente funciona.

[RevMedx via Science Alert]