Ronaldo Lemos é líder do projeto Creative Commons Brasil, e professor titular em direito de propriedade intelectual na FGV-RJ. Ele também é colunista da Folha de S. Paulo e hoje, ele escreveu sobre Aaron Swartz – um dos criadores do Reddit, do RSS 1.0 e da Demand Progress (entidade que combateu a SOPA) – e sobre sua morte aos 26 anos.

Aaron cometeu suicídio no último dia 11, aos 26 anos, após se enforcar em seu apartamento em Nova York. Ele lutava contra acusações criminais de “roubar” artigos de uma base acadêmica online, o JSTOR. Ele baixou 5 milhões de artigos, mas não os distribuiu na internet – ele acreditava que o acesso a essas informações deveria ser aberto.

Por isso, Aaron era acusado pela Procuradoria dos EUA, que representa o governo do país. Ele poderia levar até 50 anos de prisão e US$ 4 milhões em multas. Apesar das negociações, a procuradora Carmen Ortiz queria colocá-lo na prisão, mesmo que ele se declarasse culpado. Ela queria se candidatar ao governo do Estado de Massachusetts – e a repercussão do caso a ajudaria. A família de Aaron diz que o suicídio “é o produto de um sistema de justiça penal repleto de intimidação e exageros da Procuradoria”.

Ronaldo conheceu Aaron quando ele tinha apenas 15 anos, e já nessa idade ele “falava com fluência sobre política, programação e direitos autorais”.

Em 2009, Aaron veio ao Brasil e ficou hospedado na casa de Ronaldo, no Rio. Mas antes de chegar, ele lhe respondeu a uma entrevista por e-mail, publicada em sua íntegra na Fast Company. Nela, dá para vislumbrar como Aaron era brilhante, e como ele tinha muito a dizer. Não só: podemos entender como ele se tornou assim.

Swartz explica que cresceu em uma cidadezinha longe de tudo, então ele passava boa parte do seu tempo mexendo no computador – seu pai criava software, então ele sempre tinha acesso a computadores e também à internet. Ele conta como criou uma Wikipédia anos antes de ela existir, e como ele ajudou a criar o RSS:

Quando eu tinha cerca de 12 anos, meu pai foi em uma viagem de negócios para o MIT e me levou junto. Passei um dia em uma aula de um professor do MIT, Philip Greenspun, que tentou explicar todos os princípios de construir aplicativos web. Eu estava tão animado com a aula que eu imediatamente fui para casa e tentei fazer alguma coisa. A primeira coisa que eu fiz foi uma enciclopédia online que qualquer pessoa poderia editar, mas na prática, só a minha mãe e meus amigos da escola editaram. Mas a segunda coisa que eu fiz foi um programa para pegar as notícias de todo site de notícias e combiná-las em uma página. Na época, isso era bem difícil – cada site de notícias tinha seu próprio formato e você tinha que escrever software para ler cada um individualmente – mas havia algumas pessoas falando sobre criar um padrão, de modo que não era apenas um só formato que você precisava ler. Naturalmente, eu comecei a conversar com essas pessoas. Claro que, como uma criança, eu tinha um monte de tempo livre, então eu acabei pegando mais e mais desse trabalho, e acabei sendo um dos editores da especificação que se tornou o RSS 1.0.

Tudo isso é fruto da curiosidade. Swartz diz que é difícil manter-se curioso depois de passar pela educação formal da escola, mas “devido a algum acidente a minha [curiosidade] sobreviveu”.

Além de estar envolvido com tecnologia, Swartz também queria resolver problemas de política. Ele tinha uma ideia muito boa para apoiar candidatos e ajudá-los através da internet: o Comitê de Campanha por Mudança Progressiva (PCCC na sigla em inglês). Eles ajudaram na campanha de Elizabeth Warren ao Senado americano, por exemplo, com membros arrecadando mais de US$800.000 – ela criou uma agência para defender consumidores, indo na direção oposta dos financistas de Wall Street. Swartz explica a ideia por trás do grupo:

Agora eu estou trabalhando em corrigir a política dos EUA. Isto tem três partes… A terceira é um grupo chamado PCCC. Ele tenta tornar mais fácil para as boas pessoas concorrerem para uma vaga no Congresso americano. Agora, se alguém quisesse fazer isso, essa pessoa realmente não saberia por onde começar. Ninguém na política vai falar com você a menos que você arrecade um monte de dinheiro, e uma vez que você tenha feito isso, então eles tomam a maior parte do dinheiro e lhe dão conselhos muito ruins. Por isso, tentamos buscar candidatos realmente bons, ajudá-los a arrecadar dinheiro através da Internet, e mostrar a eles como executar uma campanha movida por voluntários, em vez de anúncios de televisão e consultores caros.

Sensacional. Pena que uma pessoa com ideias tão boas tenha partido. Felizmente, estamos reagindo à sua morte prematura: uma deputada propôs a Lei de Aaron, para revisar partes da Lei de Fraude e Abuso em Computadores – ela permite as acusações absurdas movidas pela Procuradoria dos EUA.

Leia o artigo de Ronaldo Lemos e sua entrevista com Aaron nos links a seguir: [Folha e Fast Company]

Foto por Jacob Appelbaum/Flickr