No papel, o Core i9 não parece tão impressionante: ele se parece muito com o Core i7, mas fabricado com o processo 32nm e com dois núcleos a mais, totalizando seis. Mas benchmarks iniciais mostram que ele voa. Às vezes.

O i9 não tira muita vantagem dos muitos núcleos (que levam o número de threads de processamento para 12) na maioria das tarefas diárias, então não espere ganhos no desempenho de jogos, inicialização do Windows ou outras tarefas otimizadas para processadores de um núcleo só. É quando se começa a renderizar vídeo ou fazer modelagem 3D — tarefas mais adequadas para paralelização — é que o i9 mostra sua força.

Isso corresponde a cerca de 50% de ganho no desempenho em codificação de vídeo, em comparação com um i7 de clock semelhante — nada mal mesmo.

Os processadores i9 só chegam ao mercado no começo ou meio de 2010, e quando eles chegarem, com certeza serão caros. Mas por 50% a mais de performance, até que daria para juntar uma graninha. [PCLab via Electronista]