A Apple é conhecida por manter os códigos por trás dos seus produtos guardados a sete chaves, revelando raramente detalhes para o público. Porém, uma fonte desconhecida parece ter exposto trechos críticos do código de inicialização do iPhone no GitHub, o que está sendo considerado “o maior vazamento da história” por especialistas do Mac e iOS.

O que aconteceu com meu iPhone X após dois meses de uso

O código já foi derrubado, aparentemente depois que a Apple realizou o pedido alegando direitos autorais. A história foi publicada originalmente pelo Motherboard e continha um código nomeado como “iBoot”, que são as instruções base sobre como a Apple mantém um ambiente seguro e confiável ao inicializar um iPhone. Essa é a primeira vez que uma pessoa de fora do time de engenharia da Apple teve acesso a maneira como a Apple gerencia os processos de inicialização do iOS.

A revelação da tanto a pesquisadores de segurança quanto a hackers um conhecimento melhor sobre como partes críticas do iOS operam, e embora as marcações do vazamento sugiram que o material vem do iOS 9, parte do código talvez ainda seja utilizado atualmente.

O Motherboard questionou Jonathan Levin, autor de diversos livros sobre o iOS e macOS, sobre o vazamento e ele disse que o código parece ser autentico, já que é algo que se alinha com material que ele próprio produziu utilizando engenharia reversa.

Levin disse também que as informações obtidas a partir desse vazamento podem ajudar a trazer de volta os jailbreaks tethered, que são impossível de realizar devido as novas características de segurança dos últimos iPhones.

De acordo com o Motherboard, esse código apareceu pela primeira vez no Reddit no ano passado, antes de ser publicado no GitHub. No entanto, o material foi ignorado devido ao histórico escasso de publicações e baixa reputação do usuário.

Ou seja, o código está disponível há quatro meses. Apesar da Apple ter pedido para o conteúdo ser removido, existem grandes chances de que ele ainda esteja acessível por aí.

[Motherboard]

Imagem do topo: Adam Clark Estes/Gizmodo