Escritores de auto-ajuda estão há muito tempo tentando nos convencer que temos muito o que aprender com as crianças. Eu sempre duvidei que isso fosse necessário, até perceber que realmente perdi uma característica que me era inerente durante a infância: passar da primeira fase de Contra 3. Claro, sem ter um ataque de fúria. Falo sério, a partir de que ano os jogos passaram a ser algo feito para distrair e entreter? Porque me parece que até 1992 eles tinham como único propósito provocar stress. Muito stress.

Confesso, nunca vi o final de Contra 3. Sempre desisti do jogo quando ele realmente começava a ficar difícil pra mim, por volta do quinto estágio. Mas COMO DIABOS EU CHEGAVA TÃO LONGE? Eu pensei que depois de mais 15 anos de jogatina eu teria adquirido experiência e aquele joguinho que me parecia impossível seria bobagem, mas…


Representação da minha alma após meia hora de derrotas em Contra. Na primeira fase.

Inicio o jogo e vou logo para o menu de opções, procedimento padrão. Para não ficar entediado, dificuldade máxima e número mínimo de vidas:

Easy mode é para os fracos…ou será que não?

Ok, vamos, start, start, start, primeira fase. Explodir carrinho, explodir robozinho voando, pegar o escudo, ops, desviar desse tiro, agora do outro, opa, cuidado com esse alien, ih, morri. Tudo bem, não vi o cachorro, tô só aquecen…putz, morri de novo. Mais uma v…CACETE, PERDEU A GRAÇA. Minhas vidas duraram uns dois minutos. Que palhaçada é essa?

Adivinha o que acontece depois?
 
Meu orgulho foi ferido, quem esses canalhas da Konami pensam que são? QUEM TEVE A GENIAL IDÉIA DE FAZER UM JOGO IMPOSSÍVEL? Demitam esse japonês sexualmente frustrado, por favor.

Decidi levar a sério. Parei pra respirar, tomei um copo d’água, enchi uma caneca com café, alonguei o corpo inteiro (e não finja que sou o único a ficar com o corpo todo tenso nessas horas) e comecei. Acompanhem:




 



 

Nunca mais. Está tudo acabado, Contra. Espero nunca mais cruzar seu caminho nefasto. Agora dê-me licença, o último jogo de My Little Pony me chama.