Se e quando um holocausto nuclear começar a destruir a nossa sociedade como a conhecemos, não é a explosão inicial que devemos temer. Carl Segan e outros cientistas desenvolveram a hipótese que a poeira bloqueando o Sol poderia iniciar um inverno nuclear. E isso provavelmente já aconteceu antes – com os dinossauros.

Uma equipe de cientistas investigou dados específicos do impacto Chicxulub, aquele que levou ao desaparecimento dos dinossauros há 66 milhões de anos. Depois de criarem modelos baseados em nestes novos dados, parece que o evento pode ter lançado uma imensa quantidade de enxofre e dióxido de carbono na atmosfera. Isso teria drasticamente mudando o clima da Terra e certamente teve um impacto em quais espécies sobreviveram.

Você pode ter ouvido sobre os efeitos do impacto no clima antes, mas este modelo é baseado em ainda mais dados. Pesquisadores queriam revistar a mudança climática depois de novos aperfeiçoamentos matemáticos, melhor entendimento do ângulo do impacto do asteroide e a composição da Terra sob a cratera ter se tornado disponível. Os resultados mostraram que o asteroide poderia ter instantaneamente lançado cerca de 300 gigatoneladas de enxofre e 420 gigatoneladas de dióxido de carbono na atmosfera. Para comparação, toda a humanidade lança cerca de 40 gigatoneladas de carbono na atmosfera anualmente.

Você deve se perguntar porque o planeta esfriou em vez de aquecer. Todo aquele enxofre teria drasticamente reduzido a quantidade de radiação solar, como colocar uma manta escura sobre uma estufa, explicou Anthony Martin, professor do departamento de ciências do meio ambiente da Universidade Emory.

O novo modelo prevê que “as temperaturas do solo foram reduzidas em -20 °C e levaram 30 anos para se recuperar depois do impacto do Chicxulub”, de acordo com um artigo publicado na Geophysical Research Letter pelas cientistas Natalia Artemieva, do Planetary Science Institute, e Joanna Morgan, da Imperial College, em Londres. Uma mudança tão drástica de temperatura teria causado (e de fato causou) efeitos catastróficos a vida na Terra, causando a extinção de três quartos de todas as espécies. Cientistas geralmente concordam que quanto maior o animal mais ele sofre00, mas este estudo torna a história ainda pior.

“A extinção em massa teria eliminado mais plantas e animais do que pensávamos”, disse Martin. Ele acreditava que havia evidência o suficiente para apoiar a conclusão do estudo, enquanto lembrava que este ainda era apenas um modelo, e nenhum modelo é exatamente correto. “Mas este é um modelo útil”, disse.

Imagem de topo: Kathleen/Flickr