O Guardian está com uma excelente entrevista com a cabeça por trás do Tudou.com, a resposta da China ao YouTube. Udou significa ‘batata’ em chinês, no sentido de dizer “plantado feito batata”. O CEO Gary Wang deu início ao site de compartilhamento de vídeos há quatro anos após descobrir a enorme quantidade de regulamentação governamental envolvida no processo de entrar no ramo de entretenimento televisivo.

 

“Existem coisas que você simplesmente não consegue fazer por causa de certos regulamentos”, conta Wang. “A TV é simplesmente uma zona interditada. Se você não tem acesso à TV, você não terá um grande mercado, então comecei a pensar numa maneira de levar o entretenimento à China, onde já havia 10 a 20 milhões de usuários de banda larga e eu sabia que este número cresceria rapidamente”.

 

Logicamente, estes valores de 10 a 20 milhões são de 2004. Agora, a China se gaba de ter tantos usuários de Internet quanto toda a população dos Estados Unidos. O Tudou, que triplicou só no último ano, agora exibe 100 milhões de vídeos por dia e acumula aproximadamente 75 milhões de visitantes únicos por mês. Apesar de apenas 5% (mais ou menos) dos vídeos no site gerar renda por publicidade, isto já é bem melhor que os 3% do YouTube.

O maior problema que o Tudou enfrenta é – e isto não é nenhuma surpresa – o governo chinês. Wang emprega em torno de 100 pessoas que trabalham só para avaliar os vídeos que são carregados no site – para que não haja conteúdo protegido por copyright ou, o que é mais importante, conteúdo político banido. Afinal, como os seus servidores e funcionários estão todos na China, um aviso de fechamento de empresa está sempre literalmente a um clipe não-censurado de distância. [Guardian UK]