A Sony Ericsson acabou e agora a responsabilidade de fabricar smartphones é toda da Sony. E assim como diversas fabricantes, a empresa tem algumas táticas para tentar se diferenciar no mar de celulares e fabricantes que apostam no Android: integrar experiências entre outros aparelhos da empresa — como PS3 e TVs Bravia. E isso não obrigatoriamente prende a empresa ao robô do Google.

Stephen Sneeden, diretor de marketing de produtos da Sony nos EUA, disse ao The Verge que a presença do Android em toda a linha de smartphones da empresa não a impede de “examinar outras possibilidades”. Faz sentido: durante a coletiva da Sony hoje, na MWC, Kaz Hirai, CEO da Sony, disse que o foco para se diferenciar será a experiência. E isso não depende do Android — a Sony quer criar um grande ecossistema entre celulares, videogames e televisores. Imagine, por exemplo, comprar um jogo para PSP por meio do PlayStation 3 e acessá-lo em um smartphone com “certificado PlayStation”, como é o caso do Vita.

Sneeden deixou claro que o foco da empresa é a criação de um ecossistema único da Sony ao falar sobre a possibilidade de um “Sony Nexus”. Questionado pelo The Verge se a empresa teria interesse em criar um smartphone em parceira com o Google, o diretor disse que sim, óbvio, mas deixou claro que a linha Xperia é a conexão entre serviços da Sony, e que o Google provavelmente não ia gostar de ver esse tipo de serviço em um aparelho “puro”. Alguém teria que dar o braço a torcer.

Há rumores de que a Sony estuda lançar aparelhos com Windows Phone. A realidade, por enquanto, segue o caminho do Android, com a tática (seguida por outras empresas, como HTC) de lançar poucos aparelhos em 2012 e não inflar o portfólio — torcemos para que as fabricantes vençam as operadoras neste braço de ferro sobre o excesso de lançamentos. E queremos mais novidades sobre a tal integração da Sony: agora com os smartphones sendo exclusivamente seus, podemos imaginar uma mistura interessante com os outros produtos da empresa. [The Verge]