Se já é meio chato achar aquela nota de cincão triturada no bolso da sua calça jeans depois de uma lavada, imagine como devem ter reagido cientistas ingleses quando os colegas da NASA descobriram que o Beagle-2, um módulo enviado a Marte em 2003 e perdido desde o pouso, foi encontrado inoperante na superfície do planeta vermelho?

O Beagle-2 foi enviado a Marte como parte da missão Mars Express, da Agência Espacial Europeia, em 2003. No momento do pouso, no dia 25 de dezembro daquele ano, algo saiu errado e o módulo foi perdido para sempre. Ou assim pensaram os cientistas. Como eles não tiveram resposta nos seis dias entre a liberação da nave mãe e a data prevista para o pouso, acharam que o Beagle-2 tinha sido destruído com o impacto da aterrissagem e justificaram o fracasso com paraquedas supostamente mais fracos do que o necessário para suportar o pequeno módulo.

Hoje, a NASA revelou ter encontrado o Beagle-2 no solo marciano com a câmera de alta resolução do Orbitador de Reconhecimento de Marte. Mesmo sem funcionar há mais de 10 anos depois dos últimos eventos até então conhecidos, saber que as coisas deram (quase) certo é animador!

O que aconteceu, na realidade, foi que os painéis solares em formato de pétalas do Beagle-2 não se abriram. Além de capturar energia, eles também escondiam a antena de comunicação, que ficou (e ainda está) oculta. O silêncio do módulo decorre desse pequeno deslize.

Não existe um meio de reativá-lo, mas saber que o pouso não foi tão desastroso quanto se pensava é uma injeção de ânimo para os pesquisadores europeus. Segundo Salvador Nogueira, da Folha, eles estão se preparando para levar outro módulo a Marte entre 2016 e 2017, com pouso previsto para 2019, através do programa ExoMars. Essa missão tem o mesmo objetivo do Beagle-2: procurar por vestígios de vida em Marte. Mais sorte a eles na próxima. [ESA via Folha]