“Estou pronto para sujar as minhas mãos”, disse a Bloomberg Dara Khosrowshahi, novo CEO do Uber, nessa terça (29). E esperamos que esteja pronto mesmo, pois, para sorte de Khosrowshahi, o Uber pode ter se envolvido em um escândalo internacional de propina. Parece ser sujo o suficiente.

De acordo com o Wall Street Journal, a companhia está cooperando com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos em uma investigação preliminar que visa determinar se a empresa de caronas violou o Foreign Corrupt Practices Act (FCPA), uma lei federal de 1977 que combate atos de corrupção transnacional – a lei proíbe, por exemplo, o suborno de oficiais estrangeiros. As fontes do Wall Street Journal, no entanto, não sabe dizer quantos ou quais países estão envolvidos nessa investigação. Um porta-voz do Departamento de Justiça não quis comentar sobre o caso para o Gizmodo, dizendo apenas que “de acordo com as nossas políticas, o departamento não confirma nem nega a existência dessa investigação”.

Relatos da operação vieram à tona apenas algumas horas depois de Khosrowshahi fazer o seu primeiro anúncio como CEO do Uber.

“O Uber é uma companhia que está redefinindo a indústria de transporte em uma base global; fazer parte dessa história é algo que é interessante e um real privilégio”, disse o CEO a Bloomberg. “Existem dificuldades? Complexidades? Desafios? Absolutamente, mas é isso que torna tudo mais divertido. Não estou aqui para me encostar. Estou aqui para sujar as minhas mãos e construir uma equipe e fazer algo que as pessoas irão olhar com satisfação”.

Khosrowshahi já tem um monte de escândalos e problemas para lidar com esse cargo. Depois de ter sofrido um grande êxodo de funcionários ainda este ano, a companhia segue com um número de executivos menor do que gostaria. O CEO terá de contratar novos funcionários para a liderança enquanto lida com os processos da Benchmark Capital e Waymo, além de construir uma equipe e cultura de trabalho mais diversificada. Certamente não é uma receita para se encostar, mas por decidir se meter nessa enrascada, Khosrowshahi vai ser muito bem recompensado.

[Wall Street Journal]