O que é traffic shaping? É quando provedores de internet reduzem a velocidade apenas de certos conteúdos, como vídeo online (YouTube) ou P2P (BitTorrent). Quais provedores no Brasil usam mais o traffic shaping, e como saber se você é afetado?

O Measurement Lab coleta dados de traffic shaping em vários países, e criou este gráfico mostrando os provedores que mais usam essa prática no Brasil.

O gráfico acima mostra que, apesar do traffic shaping aparentemente ter diminuído no Brasil ao longo dos anos, um dos provedores foi bem contra a tendência: a Embratel.

O teste não verifica necessariamente o nome do provedor, e sim a infraestrutura que ele usa. Como Embratel e Net pertencem a uma só empresa, é seguro assumir que elas compartilham a rede. No entanto, outros provedores estão bem claros na lista. Os provedores que mais usam traffic shaping, em ordem decrescente, são: Net, Oi, Vivo (Telesp Celular), GVT e Telefônica.

Faça o teste

Desde 2009, o Measurement Lab monitora a rede do Brasil e outros países, e obtém a porcentagem dos testes que sugerem traffic shaping. E você pode usar o teste em casa também.

O teste Glasnost existe há anos e verifica se você sofre com traffic shaping, seja em torrents ou vídeos em Flash. Ele usa um applet em Java para medir a velocidade de download. Você pode usá-lo neste link. Esta é apenas uma de várias ferramentas que notam a existência de traffic shaping – o Measurement Lab recomenda outros aqui.

O traffic shaping não é exclusivo do Brasil – outros países sofrem com ele – só que mais restrições à nossa internet já limitada nunca é boa notícia. Enquanto não for aprovado o Marco Civil da internet brasileira, que pretende banir o traffic shaping no país, ainda teremos que conviver com essa prática.

[Measurement Lab via Tecnoblog]