No final de 2014, o WhatsApp começou a implementar criptografia ponta a ponta: isso foi ativado por padrão em mensagens de texto enviadas entre dispositivos Android, exceto nos chats em grupo. Hoje, isso se tornou ainda maior: todas as mensagens em todas as plataformas serão protegidas dessa maneira.

>>> WhatsApp libera texto em negrito e itálico no iOS e Android
>>> Golpe engana usuários prometendo chamadas de vídeo no WhatsApp
>>> Disputa Facebook x Justiça pode levar a um novo bloqueio do WhatsApp

Segundo a Wired, isso vale para todas as plataformas nas quais o app está presente – Android, iOS, Windows Phone, BlackBerry, até mesmo o Nokia S40 – e não requer nenhuma ação do usuário; basta que ele esteja usando a versão mais recente.

O blog oficial do WhatsApp entra em detalhes:

De agora em diante, quando você e seus contatos usarem a versão mais recente do aplicativo, cada ligação que você faz, e cada mensagem, foto, vídeo, arquivo ou mensagem de voz que você envia, são criptografadas de ponta a ponta por padrão, incluindo as conversas em grupo.

Serviços como o Telegram oferecem criptografia ponta-a-ponta no caso dos chats secretos, mas ao contrário do WhatsApp, isso precisa ser ativado manualmente e não funciona para conversas em grupo. Como o WhatsApp tem um bilhão de grupos, seria um descuido não adicionar criptografia a eles.

Jan Koum, fundador do WhatsApp, diz que esperava concluir a migração para mensagens criptografadas em janeiro. No entanto, eles tiveram algumas dificuldades com vídeo, a última peça desse quebra-cabeça. “Você precisa se preparar para uma situação em que alguém no Android pode enviar um vídeo para um usuário do S40. Ou alguém em um Blackberry pode enviar isso para um Windows Phone”, diz ele à Wired.

Sem backdoor

Aqui, está sendo usado algo chamado de “criptografia de chave pública”. O usuário A pede uma chave pública ao servidor do WhatsApp que se aplique ao usuário B. O usuário A usa a chave pública para criptografar a mensagem. No entanto, ela também requer uma chave privada para ser lida, em posse do usuário B – por isso ela não pode ser lida por outro usuário.

Essa criptografia significa que nem mesmo os funcionários do WhatsApp podem ler os dados enviados através de sua rede. Ou seja, se um tribunal exigir acesso a qualquer mensagem, foto ou ligação, a empresa não poderá colaborar.

Tudo isso foi feito com anuência do Facebook. Koum é membro do conselho administrativo, e diz: “se eles não fossem favoráveis ​​a nós, eu não estaria aqui hoje”.

E Koum diz que não adicionará um backdoor na criptografia, porque isso tornaria o serviço mais vulnerável a abusos do governo e de hackers. Além disso, segundo ele, adicionar um backdoor ou remover a criptografia do WhatsApp não vai deter pessoas ruins – elas podem só mudar para outro serviço.

Koum diz no blog oficial do WhatsApp:

A criptografia é uma das ferramentas mais importantes que os governos, empresas e indivíduos têm para promover a segurança na nova era digital. Recentemente, tem havido muita discussão sobre os serviços criptografados e o trabalho da Justiça. Embora reconheçamos o importante trabalho da Justiça em manter as pessoas seguras, os esforços para enfraquecer a criptografia arriscam a exposição de informações dos usuários ao abuso de criminosos virtuais, hackers e regimes opressivos.

Impacto

Isso pode aumentar o atrito entre WhatsApp e a Justiça brasileira. Este ano, a Polícia Federal prendeu Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook para a América do Sul, porque a empresa não respondeu a uma ordem judicial para quebrar o sigilo de mensagens. Isso estava relacionado à investigação de uma quadrilha em Lagarto (SE) envolvida em tráfico de drogas.

Dzodan foi solto, mas o juiz que o liberou lembra que o Facebook ainda deverá responder aos pedidos da Justiça. Em vez de explicar que o WhatsApp não guarda mensagens no servidor, apenas metadados, a empresa simplesmente não respondeu. No Brasil, não atender ordem judicial é crime.

Enquanto isso, o delegado Fabiano Barbeiro – que solicitou o bloqueio do WhatsApp no ano passado – avisou que pode pedir uma nova suspensão do aplicativo no país.

Esta semana, o Facebook anuncia que Marcos Angelini será o novo diretor de suas operações no Brasil. Segundo o Valor, uma das missões de Angelini será encontrar uma forma de equilibrar as demandas da Justiça e da Polícia com os valores do Facebook.

Essa disputa também está acontecendo nos EUA. O Departamento de Justiça estaria cogitando processar o WhatsApp para avançar uma investigação que parou por causa de criptografia. Um juiz federal autorizou a quebra de sigilo, mas não há como ver o que está sendo dito.

Cada vez mais, empresas de tecnologia usam a privacidade como diferencial para seus serviços. É o caso da Apple, que se envolveu em uma disputa com o FBI para não desbloquear um iPhone à força. (A agência acabou recebendo a ajuda de outra empresa para fazer isso.) O WhatsApp e o Facebook apoiaram publicamente a Apple nesse caso.

[Wired e WhatsApp Blog]

Foto por arivera/Pixabay; atualizado às 15h01