O lado mais distante da lua é, há um bom tempo, um mistério tentador. Mas a China, um pouco atrasada na corrida lunar, pode em breve ser o primeiro país a tocar a superfície deste lado oculto.

Notícias do governo chinês confirmam as intenções do país de enviar a sonda Chang’e-4 para pousar no lado mais distante da lua até 2020. Sondas anteriores já fotografaram esta face do satélite, mas, caso a viagem seja bem sucedida, a China se tornará o primeiro país a pousar daquele lado.

Com a série de naves Chang’e — nomeadas em homenagem à deusa da lua da mitologia chinesa — a China gastou diversos anos adquirindo a capacidade para efetuar uma ambiciosa missão para coletar amostras lunares e retornar.

Em dezembro de 2013, a China pousou o Chang’e-3 do lado da lua que fita a Terra, se tornando o terceiro país do mundo a tocar o nosso vizinho mais próximo. Ano passado, a China completou sua primeira missão lunar, com o veículo de testes Chang’e-5, que passou pelo lado mais distante da lua registrando belas imagens da Terra (foto de capa), antes de retornar com o módulo para o nosso planeta.

De acordo com Zou Yongliao, cientista da Academia Chinesa de Ciências, o objetivo da Chang’e-4 será estudar as condições geológicas e ondas de baixa frequência de radio. “Se pudermos colocar um espectrógrafo de frequência do lado mais distante, poderemos preencher este vão”, explica Yongliao.

Se isso não fosse o suficiente, o programa espacial chinês também está buscando cumprir mais um objetivo ainda este ano, com o lançamento do novo foguete Long March 6. Continuaremos a observar programa espacial da China nos próximos meses. [CNN]