Nessa semana ficamos muito contentes com a revelação de quanto o Pandora paga em royalties aos artistas que são ouvidos pelo serviço. De famoso mundialmente a músicos alternativos e fora do mainstream, tem muita gente fazendo dinheiro através da rádio online. Pena que uma parte importante da história ficou de fora do blog oficial do serviço.

Glenn Peoples, da Billboard, esmiuçou a verdade por trás dos números do Pandora. O problema é que os US$ 3 milhões de Lil Wayne, o US$ 1 mi cada para Coldplay e Adele, ou os US$ 135 mil do Bon Iver não vão diretamente para eles, mas sim para a SoundExchange, algo como o ECAD dos Estados Unidos. De lá, o dinheiro é repassado da seguinte forma:

  • 50% para a gravadora/detentora dos direitos da música;
  • 45% para o intérprete; e
  • 5% para músicos de estúdio e vocalistas de apoio.

E ainda tem uma mordida de 5,3% da SoundExchange, uma taxa de administração.

O Pandora não paga diretamente aos artistas por força da Seção 114 da licença compulsória para webcasters. Poderia ser melhor? Sim. Mas é interessante pensar que, mesmo assim, o Pandora conseguiu trazer um assunto importante para discussão e os artistas, ainda que não tanto quanto pensou-se a princípio, estão ganhando um valor considerável para um produto do porte e com o alcance do Pandora. Afinal, 45% de US$ 3 milhões continua sendo uma grana legal. [Billboard. Foto: Niall Kennedy/Flickr]