Se seu feed do Facebook está cheio de teorias da conspiração, a culpa pode ser sua, segundo um estudo da própria rede social. Dois pesquisadores do Facebook e um de Harvard testaram um algoritmo que analisa a atividade dos seus amigos para detectar contas falsas. O estudo mostra que um grupo de pessoas que aceita solicitações de amizade de pessoas aleatórias tem mais chances de ser alvo de contas falsas. Então, é melhor parar de fazer isso, né?

O Facebook se orgulha de informar que é bom em detectar contas falsas. A empresa diz que desativou cerca de 2,2 bilhões de contas no primeiro trimestre de 2019, na maioria das vezes em questão de “minutos após a criação da conta”, segundo o estudo. Mas algumas dessas contas falsas sobrevivem o suficiente para fazer conexões com usuários reais, e o estudo descobriu que 5% dos 2,37 bilhões de usuários ativos do Facebook são fakes.

E elas ficaram mais “espertas” em relação aos seus alvos, diz o estudo. A maioria das pessoas reais tendem a rejeitar solicitações delas, um pequeno grupo aceita contas falsas e reais igualmente, e esses usuários inocentes costumam ser presas fáceis.

“Para certos usuários, o fato de uma solicitação de amizade vir de uma conta falsa ou de uma conta real é altamente determinante para sua decisão aceitar ou rejeitar”, descobriram os pesquisadores. Eles apontam para uma correlação entre altas taxas de aceitação de solicitações de amizade e solicitações de amizade de contas falsas. A partir disso, o Facebook extrapola que as decisões de “aceitadores” em excesso podem ser “alavancadas”, pois sinalizam que é mais provável que seus amigos sejam falsos.

Imagem: Do Facebook: “A distribuição da taxa de rejeições (número de solicitações rejeitadas comparada com o total de solicitações) é inclinada para direita, significando que suas solicitações são rejeitadas com maior frequência do que as solicitações de usuários reais”.

Imagem: Do Facebook: “A distribuição da taxa de rejeições (número de solicitações rejeitadas comparada com o total de solicitações). Como a figura mostra, a taxa de rejeição de contas falsas é enviesada para direita, o que significa que suas solicitações são rejeitadas com maior frequência do que as solicitações de usuários reais.” Crédito: Facebook

Imagem: Do Facebook: “1 indica a probabilidade de pessoas aceitarem contas falsas e reais; maior que 1 indica aceitação de mais pessoas reais; menor que 1 indica a probabilidade de aceitar mais pessoas falsas que reais”.
Imagem: Do Facebook: “1 indica a probabilidade de pessoas aceitarem contas falsas e reais; maior que 1 indica aceitação de mais pessoas reais; menor que 1 indica a probabilidade de aceitar mais pessoas falsas que reais”. Crédito: Facebook

Imagem: Do Facebook: “As pessoas do lado > 1 do lote têm mais probabilidade de receber solicitações de pessoas reais, enquanto as pessoas do lado < 1 têm mais chances de receber solicitações de falsificações. Dessa forma, podemos aumentar a probabilidade de o solicitante ser falso ou real com base no alvo do solicitante.”

Imagem: Do Facebook: “As pessoas do lado > 1 do lote têm mais probabilidade de receber solicitações de pessoas reais, enquanto as pessoas do lado < 1 têm mais chances de receber solicitações de contas falsas. Dessa forma, podemos aumentar a probabilidade de o solicitante ser falso ou real com base no alvo do solicitante”. Crédito: Facebook

Se você é do grupo de pessoas com mais discernimento, o estudo descobriu que é mais provável que um usuário desconhecido que adicionou você seja real, e seus rejeições poderiam ajudar a detectar perfis falsos. “[O algoritmo SybilEdge] precisa de apenas algumas rejeições de usuários reais cuidadosos para que uma conta abusiva seja sinalizada como tal”, escrevem os autores.

Resumindo: é melhor não confiar em quem você não conhece. Ser gentil pode fazer com que seu feed do Facebook fique terrível.