Os investidores começaram a fugir das ações do Facebook após o empresa não corresponder às expectativas do mercado. A situação é doida, pois o Facebook tem praticamente todos os usuários que poderia ter.

Quando dizemos que o Facebook trouxe “todo mundo” da internet para debaixo de seu guarda-chuva, não estamos exagerando. Pela primeira vez, o Facebook relatou quantos usuários usam pelo menos um dos seus produtos: são cerca de 2,5 bilhões de pessoas que acessam Facebook, Instagram, WhatsApp ou Messenger.

Facebook quer usar satélites para fornecer internet em áreas remotas do mundo
Facebook diz que vai remover notícias falsas que inspiram violência no mundo real

A título de curiosidade, existem cerca de quatro bilhões de pessoas conectadas à internet de alguma maneira. Tire as pessoas com menos de 13 anos, as pessoas que nunca usarão o Facebook e as pessoas com conexão ruim. Analisando assim, parece que o potencial da empresa para atrair mais gente é limitado, pelo menos no curto prazo. Quantas empresas no mundo poderiam dizer que não é possível duplicar sua base de usuários?

A última divulgação de resultados do Facebook veio após o escândalo da Cambridge Analytica, mas não teve nenhum efeito em seus negócios. A empresa apresentou um ótimo número mesmo com toda a repercussão, e os investidores acreditaram piamente no que foi dito por Mark Zuckerberg. Nesta quarta (25), a empresa revelou bons resultados, mas não correspondeu às expectativas em alguns pontos, e isso fez com que as ações da companhia tivessem queda de 20%, ou cerca de US$ 120 bilhões em valor de mercado, uma das maiores perdas já registradas em Wall Street.

Abaixo, algumas das coisas que impactaram isso:

O crescimento do Facebook nos Estados Unidos e no Canadá nos últimos trimestres tem sido ínfimo.

Analistas esperavam 1,48 bilhão de usuários diários no Facebook, com base em uma média da Bloomberg. E o Facebook informou que tem 1,47 bilhão de usuários diários.

As projeções médias falavam em uma receita de US$ 13,3 bilhões; a companhia anunciou US$ 13,2 bilhões.

A receita média por usuário do Facebook foi de US$ 5,95; Wall Street queria US$ 5,97.

Deu para entender? O Facebook apresentou resultados pouco abaixo do esperado, e as ações caíram. Mas considere o seguinte número da divulgação: a receita aumentou em 42% em comparação com o mesmo período do ano passado. Isso é muito.

Podem não ser resultados do nível da ExxonMobil, mas quem sabe a rede social não alcance esses patamares em breve. As pessoas certamente não parecem estar deixando a plataforma, apesar dos lembretes semanais de erros da companhia em gerir uma comunidade imensa, pois houve um acréscimo de 22 milhões de usuários diários no Facebook comparado com o trimestre anterior (essa foi a menor métrica de crescimento apresentada pela rede desde 2011).

Para onde vai o Facebook depois disso? Bem, a companhia está fazendo o que pode para que mais pessoas fiquem online e, assim, aumentem sua base de usuários. Há esforços que não deram muito certo nesse sentido, no entanto, a empresa vai continuar a escavar a esfera da mídia até que se torne uma das únicas opções para anunciantes. E ainda tem toda a questão distópica de óculos de realidade virtual, que a companhia aposta como um dos ramos que trará crescimento nos próximos anos.

As ações do Facebook podem passar por momentos difíceis agora, e outros investidores vão entrar na onda com o barateamento das ações. No entanto, a tendência é que a companhia fique ainda mais forte. E, embora a Apple esteja concentrada em ser a empresa com valor de mercado de US$ 1 trilhão, o Facebook está concentrado em vender cada humano do planeta como seu produto.

[Facebook]

Imagem do topo: Getty Images