Se você nasceu antes dos anos 2000, provavelmente conhece bem aquele chiado que marcava a conexão discada à internet.

Antes da banda larga, ficar online era muito mais difícil. Era preciso um provedor de acesso e uma rede telefônica conectada a um modem, responsável por codificar e decodificar a informação da rede na forma de sinais de áudio. O problema é que isso deixava o telefone ocupado para receber e realizar ligações.

Ou seja: entrar na internet era sinônimo de uma linha de telefone ocupada — e, por tabela, confusões familiares. Para piorar, o serviço era também lento — conexões discadas costumavam ser de míseros 50 Kb por segundo no início dos anos 2000 –, o que tornava hercúlea a tarefa de assistir a qualquer tipo de conteúdo em vídeo. Fazer o download de um arquivo de áudio poderia levar horas ou mesmo dias.

O ticket para conectar-se à internet — o chamado “pulso” — tinha um preço mais elevado durante a semana, quando havia mais demanda. Isso fazia boa parte dos usuários trocar o dia pela noite. O esquema era usar a internet após a meia noite: a partir desse horário e até as 6h da manhã, pagava-se apenas um pulso — que custava menos de R$ 0,20. Aos finais de semana e feriados, os valores também eram baixos.

Se você já nasceu conectado à internet banda larga e não tem ideia de como era esse processo — ou se é uma pessoa nostálgica o suficiente para querer relembrá-lo — aí vai uma dica de passatempo.

O engenheiro Gough Lui, que vive na Austrália, preparou um vídeo em seu canal no YouTube mostrando como era a vida de quem precisava conectar-se à internet na época do Windows 98.

Lui mostrou como funcionavam as máquinas antigas, todo o processo de ligar e esperar iniciar a conexão com a internet.

Ele também tentou entrar em sites modernos usando um sistema operacional antigo. Spoiler: não deu certo. Como explica o engenheiro, não é possível visitar a maioria dos sites modernos diretamente porque as alterações nos protocolos “http” atuais impossibilitam a tarefa.

Assista ao vídeo abaixo.