Um produtor audiovisual freelancer processou a Adobe, representando usuários que viram seus arquivos desaparecerem graças a um bug no software de edição de vídeos Premiere Pro. E, ainda que esse pesadelo não tenha acontecido com você, caso você use o programa, é melhor ficar de olho.

• iPad ganhará versão completa do Adobe Photoshop no ano que vem
• Inteligência artificial do Google e MIT retoca suas fotos antes mesmo de você clicar

O processo foi aberto na corte distrital da Califórnia na semana passada, por Dave Cooper. Ele alega que uma atualização do Premiere Pro veio com uma falha no gerenciamento de arquivos que resultou no sumiço de 500 horas de clipes de vídeo que, segundo ele, valem cerca de US$ 250 mil.

A Adobe reconheceu o bug e já lançou uma atualização para corrigi-lo, então vale a pena checar se você tem a versão mais recente do Premiere instalada. A vítima afirma ter atualizado para o Premiere Pro 11.1.0 em abril do ano passado.

O Premiere cria arquivos de vídeos redundantes que são armazenados numa pasta chamada “Media Cache” enquanto o usuário trabalha em um projeto. Isso ocupa bastante espaço do armazenamento, e Cooper instruiu o software a colocar essa pasta dentro de um diretório chamado “Vídeos”, que ele criou em um HD externo, segundo consta nos documentos do processo.

A pasta “Vídeos” continha cenas que não estavam associadas ao projeto do Premiere, o que não deveria causar problemas. Quando um usuário termina um projeto, geralmente ele limpa o “Media Cache”. Infelizmente, Cooper disse que, quando iniciou a função “Clean Cache” (Limpar Cache), ela indiscriminadamente deletou os conteúdos da pasta “Vídeos” inteira, para sempre.

Cooper afirma ter perdido cerca de 100 mil clipes individuais e diz ter gastado algo perto de US$ 250 mil para capturar todas essas cenas. Depois de passar três dias tentando recuperar os dados, ele aceitou que tinha perdido tudo, diz o processo.

Aparentemente, ele também perdeu os arquivos de edição em que estava trabalhando, além de oportunidades de licenciamento desde então. Representando a si mesmo e a outros usuários que queiram se juntar à ação, ele pede no processo ressarcimento por “danos monetários, incluindo mas não limitado apenas a compensações, danos incidentes ou consequentes em uma quantia que será determinada pelo júri ou pela Corte, de acordo com as leis aplicáveis”.

O bug não passou despercebido pela comunidade Adobe, e usuários de fóruns relataram problemas similares, alertando outras pessoas sobre a questão. Quando a Adobe lançou a atualização 11.1.1, foi dito que o problema havia sido resolvido e que “apenas arquivos de dentro da pasta Media Cache e de seus subdiretórios seriam apagados”. Mesmo com a correção, a Adobe dizia “recomendar fortemente manter a pasta Media Cache separada da mídia original”. A Adobe não respondeu aos pedidos de comentário do Gizmodo.

Independentemente de quem seja a culpa nesse caso —e independentemente de você ter sido afetado por esse bug em particular ou não —, há uma boa lição nessa história toda. Faça backups de backups de todas as suas coisas – é chato, caro, mas essencial. Profissionais que trabalham com vídeos têm ainda mais dificuldade, pois seus arquivos são enormes e só crescem com o aumento das resoluções. A boa notícia é que espaço de armazenamento está ficando mais barato. Lembre-se do princípio do arquivista: “muitas cópias mantêm as coisas seguras”.

[Northern District of California, Motherboard]