No ano de 2012, a Amazon teve receita de US$ 61,09 bilhões. Isso é aproximadamente o PIB da Croácia! Então como é que eles tiveram um prejuízo de US$ 39 milhões no mesmo período? Porque é assim que a Amazon funciona.

Esta é sua filosofia de negócios: vender com margem de lucro baixa, tanto nos EUA como fora deles. Como explica Eugene Wei, ex-funcionário da Amazon, isto impede que a concorrência ganhe da empresa em preço. Assim, ela consegue conquistar presença maior no mercado.

Vender a margens baixas, obviamente, traz lucros bem pequenos. Além disso, a Amazon reinveste parte dos lucros em investimentos para a empresa: mais armazéns, mais acordos de conteúdo digital, além de apostar em computação na nuvem e nos Kindles, que muito provavelmente custam mais do que seu preço (nos EUA).

Ou seja, tudo o que torna a Amazon uma das empresa mais revolucionárias em tecnologia também a deixa com um dos balanços financeiros menos empolgantes do mercado.

Mas como aponta a Wired, essa é uma trajetória semelhante à do Walmart nos anos 90. No Brasil, ele é só mais um entre diversas redes de supermercado. Mas nos EUA, o Walmart é gigantesco: o país responde por boa parte dos US$444 bilhões em receita que a rede teve no ano passado.

Da Wired: “Em 1994, as vendas do Walmart ultrapassaram US$60 bilhões pela primeira vez… Dez anos depois, as vendas quase quadruplicaram para US$256 bilhões.” As vendas da Amazon quadruplicaram nos últimos cinco anos.

Mas será que a Amazon consegue replicar o sucesso do Walmart? Pelo menos o mercado financeiro parece confiante: apesar dos resultados ficarem aquém do esperado, as ações da empresa atingiram níveis recordes. Como explica Howard Lindzon, CEO da StockTwits, tudo se trata de expectativas para o futuro – não de resultados concretos do passado. E como aponta o The Verge, “a Amazon tem uma narrativa melhor que a Apple, com o fundador ainda no comando, crescimento sólido e o modelo de reinvestimento de lucro que a empresa tem adotado até então”.

Além do resultado anual, a Amazon divulgou os números do quarto trimestre. Entre os destaques, temos:

  • receita de US$ 21,27 bilhões, aumento de 22% em um ano;
  • lucro líquido de US$ 97 milhões, queda de 45%;
  • vendas de livros físicos crescendo pouco, apenas 5% em um ano;
  • vendas de e-books dispararam 70% em um ano;
  • a Amazon não conseguiu acompanhar a demanda do Kindle Paperwhite, mas não diz quantas unidades foram vendidas;
  • como sempre, a Amazon não revela quantos Kindles ou Kindle Fires foram vendidos.

Vejamos como a Amazon se sai este ano ao atrair clientes através de preços baixos e do seu ecossistema de produtos. Resta ver se a mesma estratégia será adotada no Brasil, onde a Amazon deve estrear a venda de produtos fisicos ainda este ano. [Amazon via The Verge, AllThingsDWired]