Da próxima vez que você usar a Alexa, da Amazon, para enviar uma mensagem a um amigo ou pedir uma pizza, saiba que esse histórico pode ser armazenado indefinidamente, mesmo se você pedir para excluí-lo.

Em maio, o senador de Delaware, Chris Coons, enviou ao CEO da Amazon, Jeff Bezos, uma carta perguntando por que a Amazon mantém transcrições de vozes capturadas pelos dispositivos Echo, citando preocupações com relação à privacidade. Ele foi motivado por relatos de que a Amazon armazena tal conteúdo.

“Infelizmente, reportagens recentes sugerem que os clientes da Amazon podem não ter tanto controle sobre sua privacidade quanto a Amazon afirma”, escreveu Coons na carta. “Embora eu saiba que a Amazon permite que os usuários excluam gravações de áudio vinculadas às suas contas, estou muito preocupado com relatos que sugerem que transcrições de texto desses registros de áudio são preservadas indefinidamente nos servidores da Amazon e os usuários não têm a opção de excluí-las”.

O CNET relatou pela primeira vez que o vice-presidente de políticas públicas da Amazon, Brian Huseman, respondeu ao senador em 28 de junho, informando-lhe que a Amazon mantém as transcrições até que os usuários excluam manualmente as informações. A carta afirma que a Amazon trabalha “para garantir que essas transcrições não permaneçam em nenhum dos outros sistemas de armazenamento da Alexa”.

No entanto, existem algumas conversas capturadas pela Alexa que a Amazon mantém, independentemente das solicitações dos clientes para excluir as gravações e transcrições, de acordo com a carta.

Como exemplo de registros que a Amazon pode optar por manter, apesar das solicitações de exclusão, Huseman mencionou casos em que os clientes usam a Alexa para assinar o serviço de música ou entrega da Amazon, solicitar um compartilhamento de carona, pedir pizza, comprar mídia, definir alarmes, agendar eventos no calendário ou enviar mensagens aos amigos. Huseman escreveu que essas gravações são mantidas porque “os clientes não gostariam ou esperariam que a exclusão da gravação de voz apagasse os dados subjacentes ou impedisse que a Alexa execute a tarefa solicitada”.

A carta diz que a Amazon geralmente armazena gravações e transcrições para que os usuários possam entender o que a Alexa “ouviu” e treinar seus sistemas de machine learning para entender melhor as variações da fala “com base na região, dialeto, contexto, ambiente e indivíduo, incluindo suas idades”. Tais transcrições não são tornadas anônimas, de acordo com a carta, embora Huseman tenha dito a Coons que “Quando um cliente apaga uma gravação de voz, nós excluímos as transcrições, tanto das solicitações feitas como das respostas da Alexa, associadas à conta do usuário.”

A Amazon se recusou a fornecer um comentário ao Gizmodo além do que foi incluído na carta de Huseman.

Em sua resposta pública à carta, Coons demonstrou preocupação em como a Amazon mantém algumas gravações.

“A resposta da Amazon deixa aberta a possibilidade de que as transcrições de interações de voz do usuário com a Alexa não sejam excluídas de todos os servidores da empresa, mesmo depois de um usuário ter excluído uma gravação de sua voz”, disse Coons. “Além disso, o quanto desses dados são compartilhados com terceiros e como esses terceiros utilizam e controlam essas informações ainda não está claro.”