À medida que os mantos de gelo do mundo estão rachando e derretendo, os climatologistas alertam que a destruição dessas calotas enormes pode causar um aumento devastador do nível do mar. Agora, um estudo recente mostra que blocos de gelo da Groenlândia e da Antártica estão derretendo em um ritmo equivalente ao pior cenário climático que os cientistas previram anteriormente, colocando em risco as comunidades costeiras onde vivem milhões de pessoas.

No estudo publicado na Nature Climate Change na semana passada, os pesquisadores compararam observações de satélite do derretimento do gelo nos pólos com cálculos dos modelos do quinto relatório de avaliação de 2015 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). O relatório é considerado o padrão ouro porque sintetiza estudos de todo o mundo.

Eles descobriram que, desde que a manutenção de registros de satélite começou no início de 1990 até 2017, a Groenlândia e a Antártica perderam 6,4 trilhões de toneladas métricas de gelo. Como resultado, o nível global do mar subiu 0,7 polegadas (1,8 centímetros).

Mas a taxa de perda de gelo não permaneceu consistente. Ao contrário: tem se acelerado nos últimos anos. Aproximadamente 0,5 polegada (1,2 centímetros) dessa elevação do nível do mar ocorreu entre 2007 e 2017. A taxa observada naquele período de uma década se alinha quase perfeitamente com o pior cenário do relatório do IPCC de 2014.

“Embora tenhamos antecipado que as camadas de gelo perderiam quantidades crescentes de gelo, em resposta ao aquecimento dos oceanos e da atmosfera, a taxa de derretimento acelerou mais rápido do que poderíamos ter imaginado”, disse Tom Slater, principal autor do estudo e pesquisador do clima no Centro de Observação Polar e Modelagem da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Se a perda de gelo continuar nesse ritmo, os modelos climáticos do relatório de 2014 indicam que, em 2100, o derretimento das duas camadas de gelo pode elevar o nível do mar em cerca de 6,7 polegadas (17 centímetros). Isso dobraria a frequência de inundações com tempestades em muitas das maiores cidades costeiras do mundo e exporia mais de 16 milhões de pessoas a perigosas inundações costeiras anuais.

Até recentemente, a principal causa do aumento do nível do mar global era a expansão térmica – a água do mar expandindo à medida que se aquecia. Contudo, os pesquisadores dizem que, nos últimos cinco anos, o derretimento do gelo se tornou a principal razão que impulsiona o aumento do nível dos oceanos.

A nova pesquisa segue um estudo de agosto, que descobriu que o manto de gelo da Antártica está se tornando vulnerável à rápida destruição pela água derretida que vaza para suas fraturas. E do outro lado do mundo, uma outra pesquisa publicada no início deste ano descobriu que o céu ensolarado contribuiu para o degelo recorde da Groenlândia no ano passado. Muitas fontes menores de gelo também estão se tornando problemáticas, desde o desaparecimento de geleiras nos Alpes até a Islândia.

De forma alarmante, os autores do estudo dizem que, uma vez que o aumento do nível do mar já está atendendo às projeções de pior caso dos cientistas, o pior caso real poderia ser ainda mais grave. Pode ser necessário reimaginar completamente os modelos climáticos usados ​​para estimar o aumento do nível do mar.

“Embora tenhamos previsto que os mantos de gelo perderiam quantidades crescentes de gelo em resposta ao aquecimento dos oceanos e da atmosfera, a taxa de derretimento acelerou mais rápido do que poderíamos ter imaginado”, disse Slater. “O degelo está ultrapassando os modelos climáticos que usamos para nos guiar, e corremos o risco de não estar preparados para os riscos decorrentes da elevação do nível do mar”.