Executivos sêniores do Facebook, como a COO Sheryl Sandberg, sabiam que as estatísticas de público alcançado na plataforma estavam acima da realidade, mas optaram por não corrigir os números pois isso poderia impactar de forma significativa na receita total da empresa. As informações constam em documentos de uma ação coletiva iniciada em 2018, de acordo com uma reportagem do Financial Times.

Nos documentos, é possível ver uma conversa entre o funcionário e os responsáveis pelas métricas de alcance potencial dos anúncios. Ele aponta para o uso de contas falsas e duplicadas, além do acréscimo de pessoas em determinadas regiões em que o número populacional não coincidia.

Esta não foi a primeira vez que houve este tipo de situação grave, já que em 2016, conforme relatado pelo Wall Street Journal, as estatísticas do consumo de vídeos de anunciantes foram alteradas durante dois anos, pois houve um erro no cálculo do tempo médio de visualizações. Na época, o Facebook reconheceu a falha, mas deixou uma pulga atrás da orelha sobre os procedimentos usados para lidar com os dados.

Por conta das novas diretrizes de transparência e combate a conteúdos ilícitos, como ligados a questões políticas, o seu sistema de Gerenciador de Anúncios está sendo reformulado.

Assine a newsletter do Gizmodo

A empresa afirma que os números são apenas estimativas que podem não garantir resultados efetivos e que os anunciantes pagam somente as impressões e cliques nos anúncios. Em um comunicado enviado ao The Verge, a empresa se defende:

“Esses documentos estão sendo escolhidos a dedo para se encaixar na narrativa do autor da ação. ‘Alcance potencial’ é uma ferramenta útil de planejamento de campanha que não gera nenhuma cobrança para os anunciantes. É uma estimativa e deixamos claro como ela é calculada em nossa interface de anúncios e na Central de Ajuda.”

No entanto, o documento diz que os números de alcance são usados ​​pelos anunciantes para pôr em prática as suas estratégias de orçamento. O próprio Facebook admite isso em um documento interno, que indicava que esta métrica era a “mais importante nas interfaces de criação de anúncios”.

[Engadget]