Em uma aparente mudança de posicionamento sobre as operações de reparo independentes, a Apple anunciou esta semana que finalmente fornecerá as peças e ferramentas necessárias para executar “os reparos mais comuns do iPhone fora da garantia” para assistências independentes. Mas não dê tapinhas nas costas da Apple ainda.

Como parte de uma nova iniciativa, a Apple começará a fornecer equipamentos de reparo com as mesmas ferramentas OEM, diagnósticos, peças, guias e treinamento necessários para consertar iPhones e que já fornece aos seus AASPs (Fornecedores de Serviço Autorizados da Apple), a empresa anunciou na quinta-feira (29). Para se qualificar para o programa, essas assistências independentes precisarão de um técnico certificado pela Apple para realizar os reparos.

A Apple especificou que essas oficinas pagariam o mesmo preço por peças e ferramentas que suas autorizadas. O programa começará nos EUA, embora a empresa tenha dito que também planeja expandi-lo para os mercados internacionais.

Isso com certeza soa como uma boa notícia – e certamente é um passo na direção certa. Mas os defensores do “direito de consertar” não chegaram a considerar a mudança uma vitória total. Afinal, a Apple é a mesma empresa que há anos faz lobby contra os esforços de direitos de consertar. Embora incluir assistências independentes – desde que atendam aos critérios da Apple – seja ótimo para consumidores e empresas, isso ainda não dá controle total para os clientes optarem por consertar suas próprias coisas.

Kyle Wiens, editor-chefe do recurso de reparo iFixit, disse ao Gizmodo por telefone que “há um argumento econômico em torno de técnicos independentes, mas se você não pode abrir seu próprio produto, você não é realmente dono dele”. Mas Wiens observou que o anúncio da Apple sobre seu programa de reparo independente também é “uma certa justificativa da existência do iFixit”.

“Criamos o iFixit para preencher esse buraco que a Apple possuía onde não havia peças, ferramentas e informações disponíveis, então tivemos que criá-los”, disse Wiens. O iFixit fornece há muito tempo as ferramentas e peças necessárias para executar reparos nos produtos da Apple, além dos de outras empresas. (Por exemplo, a Motorola, no ano passado, fez uma parceria com o iFixit para oferecer aos seus clientes um kit de reparo inédito do tipo faça você mesmo.) Mas agora que a Apple está oferecendo essas peças para varejistas independentes, Wiens diz que o iFixit dá boas-vindas à competição.

Gay Gordon-Byrne, diretor executivo da Repair Association, disse ao Gizmodo por e-mail que, embora o anúncio da Apple tenha sido uma surpresa, também sabemos que a Apple tinha a capacidade de implementar esse programa meses atrás, graças a documentos internos obtidos pelo Motherboard e publicados em março.

“Sempre criticamos a Apple pela hipocrisia em recusar vender baterias autênticas e depois dizer aos consumidores que as baterias não são seguras. Eu acho que o workshop Fix Nixing the Fix da FTC (Federal Trade Comission) deixou claro que se recusar a vender peças por falhas de design e outros problemas de segurança é ridículo”, disse Gordon-Byrne, mencionando um workshop de julho realizado pela agência que examinou as restrições de reparo e seus efeitos sobre os consumidores e pontos de reparo independentes.

O conceito de “segurança” tem sido um argumento usado pela Apple para manter seu monopólio sobre reparos. E em um comunicado que quase espelhava a linguagem que a empresa usou para defender seu posicionamento antes do anúncio desta semana, Jeff Williams, diretor de operações da Apple, disse que “o reparo mais seguro e confiável é aquele realizado por um técnico treinado, usando peças genuínas que foram devidamente projetadas e rigorosamente testadas”.

Mas a Apple realmente mudou a definição do que considera “seguro”. E como Wiens apontou no Twitter, se os diagnósticos de reparo “forem seguros o suficiente para fornecer a técnicos independentes, eles também deverão estar disponíveis para os consumidores!”

Obviamente, existem advertências para o lançamento deste novo programa. A Apple declara em sua página de inscrição, por exemplo, que “reserva-se o direito de rejeitar qualquer inscrição sem comentar”, o que é uma chatice para qualquer empresa que tente participar do processo. Além disso, a Apple disse ao Gizmodo que levará tempo para analisar as inscrições.

Ainda assim, Gay Gordon-Byrne disse que a expansão dos reparos para incluir empresas independentes “pode ​​ser útil para os consumidores que estão implorando à Apple para expandir sua rede de fornecedores autorizados para mais locais”.