Depois de vários rumores, o Apple Pay, sistema de pagamentos da Apple, está finalmente chegando ao Brasil. A empresa anunciou a chegada do método nesta quarta-feira (4) em um evento para a imprensa na loja oficial da Apple no Shopping Morumbi, em São Paulo.

Os detalhes do Samsung Pay, que vai começar a funcionar no Brasil em 19 de julho
Com o Apple Pay, o iPhone quer substituir a sua carteira

O Apple Pay é o sistema de pagamento móvel e carteira digital da fabricante de iPhones e funciona de maneira semelhante a outros serviços disponíveis no Brasil, como o Samsung Pay e o Google Pay (antigo Android Pay): você adiciona seus cartões e depois é só posicionar seu celular sobre as maquininhas de cartão que contenham um dos símbolos abaixo para realizar o pagamento.

Por enquanto, só serão compatíveis cartões de crédito do Itaú  — a função de débito deve ser liberada em breve. Além disso, a Apple trabalha para disponibilizar a funcionalidade em cartões de outros bancos. A habilitação do cartão no sistema de pagamento pode ser feita via Wallet. Lá, basta inserir os dados ou tirar uma foto do cartão.

Após o valor aparecer no terminal, basta aproximar o iPhone com a parte de cima (onde fica o sensor NFC) e tocar no TouchID (a tela não precisa nem estar ativa). Imagem: Guilherme Tagiaroli

Facilitando pagamentos

Segundo a Apple, o sistema funcionará com todos os dispositivos compatíveis da empresa, portanto do iPhone 6 para cima. Desta forma, será possível pagar por compras com a digital, utilizando o Touch ID, ou com o rosto, para os endinheirados donos de iPhone Xs.

E é tudo muito simples: procure por estabelecimentos com a logomarca do Apple Pay e do NFC — que aceita os pagamentos por proximidade. Caso positivo, quando estiver pronto para pagar, ative o sistema no celular com o Touch ID – segurando o dedo no sensor — ou no Face ID – pressionando o botão lateral duas vezes e olhando para a tela — e aproxime a parte de cima do iPhone do terminal de pagamento.

No Apple Watch, quando a máquina estiver pronta para receber o pagamento, basta dar um duplo clique nos botões, escolher o cartão e virar a tela do relógio em direção ao ponto de venda.

Além de facilitar o pagamento em lojas físicas, o Apple Pay também serve para compras online em apps e no navegador Safari. Em lojas que aceitarem esse tipo de transação, terá um botão “Pagar com Apple Pay”. Ao clicar nele e finalizar a operação, indo até o carrinho de compras, o sistema já pegará todos os dados do usuário (a vantagem aqui é que você não precisará fazer cadastro no site) e perguntar se você confirma a transação.

Aí tem algumas formas de finalizar o processo. Quem tem MacBook Pro com a Touch Bar, poderá usar o Touch ID do dispositivo. Quem tiver outros MacBooks poderá configurar para fazer a autenticação via Touch ID em um iPhone compatível, como mostrado na imagem abaixo.

Segurança

Para garantir a segurança do usuário, o Apple Pay não guarda nenhum dado de suas transações que possam identificá-lo. Isso se dá porque cada transação tem um número específico para o seu dispositivo e um código único. Desta forma, os dados do seu cartão não são armazenados nem no dispositivo, nem nos servidores da Apple e muito menos compartilhados com as lojas.

Parceiros e benefícios

O Apple Pay funcionará com uma diversidade de parceiros, entre eles o iFood, Dafiti, Mobly, Evino, Hotel Urbano, Petlove, Magazine Luiza, moObie, Peixe Urbano, Cinemark, RecargaPay, MeuNextel, Zazcar e ZUL, além de uma série de serviços de venda de ingressos, como Sympla, Ingresso.com e Ingresso Rápido.

Em estabelecimentos físicos, vai ser possível usar o Apple Pay no Starbucks, Track and Field, iPlace, Fast Shop, Fnac e lojas Pão de Açúcar e Pão de Açúcar Minuto, entre outros locais.

Imagens: Apple

Colaborou Guilherme Tagiaroli