A Alphabet, matriz do Google, lançou uma frota de balões de alta altitude para oferecer internet no Quênia, uma iniciativa que o CEO da empresa disse que será “a primeira de muitas” futuras implantações comerciais em outras partes do mundo.

O chefe da iniciativa Loon, Alastair Westgarth, anunciou em um blog post nesta semana que as ferramentas de conectividade de rede 4G LTE com balões de grande porte, que pairam a aproximadamente 20 quilômetros na estratosfera, marcam o primeiro uso da tecnologia na África, bem como a primeira vez que o Loon é utilizado para conectividade com internet em um contexto não-emergencial.

A Loon fez uma parceria com a operadora de telecomunicações Telkom para fornecer conexão à internet para uma região de 50.000 quilômetros quadrados na zona rural do Quênia.

Trata-se especificamente de uma área montanhosa e mais difícil de fornecer serviços. Cerca de 35 balões Loon vão fornecer conexões de internet velozes o suficiente para vídeos, e-mails, mensagens de texto, navegação na web e aplicativos como YouTube e WhatsApp.

De acordo com os primeiros testes de qualidade da Loon, realizados no final de junho, a velocidade de download chegou a 18,9 Mbps, enquanto o upload atingiu 4,74 Mpbs, com latência de 19 milissegundos.

Balão Loon no céuCrédito: Loon

Um porta-voz caracterizou o serviço como “torres flutuantes de telefonia celular”, mas serviço depende de estações terrestres que enviam sinais para balões, que então fornecem conexões para pessoas com dispositivos móveis com suporte à tecnologia 4G LTE.

Westgarth disse que a empresa continuará a implantar balões nas próximas semanas, permitindo que o serviço “se torne mais consistente”, embora ele ainda possa ser afetado por coisas como ventos estratosféricos, entre outros fatores – o lado negativo dessa tecnologia.

“Os nossos balões, ou veículos de vôo como os chamamos, flutuam sobre ventos estratosféricos e trabalham em conjunto juntos para oferecer cobertura às áreas abaixo”, disse Westgarth. “Dependendo de sua posição, um veículo de vôo pode alternar entre servir ativamente os usuários, operar como um link de alimentação em nossa rede mesh para transportar a internet para outros veículos, ou se reposicionar para voltar à região de serviço. Outros veículos de vôo ainda podem ser escalados nas proximidades (em termos estratosféricos), esperando para entrar na região de serviço onde eles podem começar a fornecer conectividade.”

Os balões Loon foram usados anteriormente para implantar serviços de emergência em zonas de desastre, como em Porto Rico na época do furacão Maria em 2017 e no Peru, no ano passado, após um terremoto de magnitude 8.0 na escala Richter. Eles também têm sido repetidamente confundidos com OVNIs – o que, dado o fato de que os balões se assemelham a uma enorme medusa etérea, faz sentido.