Desde antes de se aposentar da Microsoft, Bill Gates se envolve em missões filantrópicas meio malucas, mas sempre com objetivos pra lá de nobres. Ele já lançou um concurso para reinventar a privada, prometeu US$ 100 mil para o criador da próxima geração de camisinhas, financiou chips contraceptivos para mulheres e convenceu 40 parças bilionários a doarem uma boa grana para instituições de caridade. Agora, ele bebeu água extraída de cocô humano.

Calma, o cara não despirocou! É só o resultado de uma engenhoca que fascinou o co-fundador da Microsoft.

Esse copinho d’água na foto, que você pensaria duas vezes antes de beber, saiu do Omniprocessor, uma máquina gigantesca que processa fezes humanas. Além de gerar água potável, ela também produz energia e cinzas. Eficiência máxima!

O objetivo da tecnologia, como explica Victor Caputo no site da Exame, é melhorar as condições sanitárias em países pobres, onde a falta de saneamento é um problema grave que expõe milhões de pessoas a doenças e compromete a água de rios e córregos.

Gates visitou uma unidade do Omniprocessor em novembro e fez o vídeo abaixo onde explica a engenhoca e, no final, vira um copo d’água fresquinha:

No texto que publicou eu seu blog, ele disse que “A água tem o mesmo gosto de qualquer outra que eu tenha tomado de uma garrafa. E após estudar a engenharia por trás da máquina, eu beberia com felicidade aquela água todo dia.” E por que alguém não tomaria, certo?

O Omniprocessor está sendo desenvolvido pela Janicki Bioenergy. Um projeto piloto no Senegal deve começar em breve. [Gates Notes via Exame]