O investimento em bitcoins deixou de ser tão promissor: a maior criptomoeda do mercado chegou ao seu menor valor em um ano, chegando a US$ 4.447,14 na última terça-feira (20).

Atualmente, a moeda é negociada por US$ 4.447,22. De acordo com dados da CoinBase, esse preço representa queda de 19% nos últimos sete dias e de 44% em um ano.

• O que é o blockchain e por que o bitcoin depende dele?
• Mulher é presa por operação multimilionária de lavagem de dinheiro envolvendo bitcoin

A moeda se valorizou muito nessa mesma época do ano passado e ganhou manchetes no mundo todo. No final de novembro de 2017, o bitcoin chegou a valer US$ 10.000,00 e quando estávamos perto do Natal ela já tinha batido os US$ 20.000,00. Praticamente todos os dias tínhamos notícias sobre novos recordes e temores de quedas abruptas.

Esse crescimento todo foi puxado, principalmente, por investidores avulsos que vinham na criptomoeda uma oportunidade única. Algumas bolsas chegaram a incorporar o bitcoin e oferecê-las como contratos de futuros, como a Chicago Mercantile Exchange, o que alavancou os preços e o interesse. Com o tempo, os ânimos se acalmaram e o preço estabilizou (não antes de sofrer grandes desvalorizações), mas agora iniciou outra tendência de queda.

Essa tendência pode ter a ver com o movimento do mercado: há muita gente vendendo bitcoins e outras criptomoedas.

De acordo com a CNBC, analistas apontam que muita gente iniciou o “sell-off” – quando investidores optam por vender rapidamente os ativos que possuem – e as chamadas “stop orders” – ordem para comprar ou vender um ativo quando o preço chega a um determinado valor – quando a moeda atingiu o preço de US$ 6.000,00.

Outros analistas também apontam para a divisão da criptomoeda, que se tornou, na semana passado, “Bitcoin ABC” e “Bitcoin SV”. Por fim, um movimento de regulamentação da Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos, que puniu algumas iniciativas de ICO (Initial Coin Offering) não registradas, pode ter assustado investidores.

[CNBC]