Para se aproveitar a Black Friday brasileira, é preciso ter paciência: não só você precisa se esquivar de “promoções” enganosas, como precisa insistir se quiser as ofertas realmente boas – elas atraem muitas pessoas e deixam lento o site da loja.

>>> Dealzmodo especial: as melhores ofertas da Black Friday
>>> Três passos para não ser enganado na Black Friday brasileira

Por isso, não é surpresa que o evento esteja acumulando tantas reclamações. Segundo o Reclame Aqui, já são mais de duas mil queixas, concentradas em quatro lojas.

Desde as 18h de quinta-feira (27), quando começou a Black Friday, as lojas mais reclamadas são Submarino e Americanas.com. Juntas, elas acumulam mais de 900 queixas – quase a metade do total. Saraiva e Netshoes vêm em seguida, respectivamente com 324 e 113 reclamações. O ranking completo está aqui.

Nas lojas em geral, segundo o Reclame Aqui, a queixa mais recorrente envolvia maquiagem de preços, incluindo a famosa oferta “tudo pela metade do dobro”; ou a cobrança de frete caro para compensar o desconto.

A Camara-e.net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico) criou o selo Black Friday Legal para evitar a maquiagem de preços. As quase 500 empresas que assinaram este Código de Ética se comprometeram “a não realizar ofertas falsas… aquelas cujo preço sem desconto anunciado não corresponda com o preço real” – mas parece que não deu muito certo.

Além dos preços, as principais queixas envolviam o funcionamento dos sites. Netshoes e Magazine Luiza, por exemplo, ficaram fora do ar logo depois da meia-noite e retornaram com lentidão. Enquanto isso, Americanas e Submarino fizeram uma fila de acesso para quem quisesse comprar ou navegar pelo site. Esses problemas foram resolvidos ao longo da madrugada.

O Reclame Aqui também destaca prazos de entrega enormes, indo de 30 a 50 dias úteis – ou setenta, como no exemplo acima.

Você teve algum problema na hora da compra? Conte para a gente nos comentários. [Reclame Aqui via Estadão]