Após especulações sobre a possibilidade de uma fábrica da Tesla no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro confirmou em um tuíte nesta sexta-feira (21) que vai viajar aos Estados Unidos em março para tentar trazer a fabricante de veículos elétricos ao país.

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, já havia tuitado na quinta-feira (20) uma imagem de uma videoconferência com Marcos Pontes, ministro de Ciência e Tecnologia; e William Popp, ministro-conselheiro da embaixada dos EUA no Brasil, para atrair a empresa de Elon Musk ao país. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil, já foram realizadas reuniões com um executivo da Tesla também.

Ainda na semana passada, Pontes havia se reunido com o deputado Daniel Freitas (PSL-SC) e com Claiton Pacheco, diretor de Desenvolvimento Econômico de Criciúma (SC), para começar a planejar um contato com representantes da Tesla. Diante disso, parece que há uma grande chance de uma futura fábrica ser instalada em Criciúma, mas ainda não houve uma confirmação disso ou quaisquer informações adicionais.

No momento, a ideia parece ser estar muito mais ligada a um desejo de atrair o interesse da Tesla em apostar no Brasil do que um plano concreto, de fato, para fazer isso acontecer. Mesmo que um acordo seja feito em breve ou em um futuro mais distante, há muitas questões a serem respondidas.

Apesar de serem vistos como uma tendência com potencial de crescimento, os veículos elétricos vêm se propagando lentamente por aqui. A Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) estima que há apenas cerca de 250 a 300 estações de recarga em todo o Brasil, conforme aponta a Exame. (O deputado Daniel Freitas é autor de um projeto de lei que busca incentivar veículos elétricos ou híbridos produzidos no país.)

Obviamente, um dos objetivos de trazer a empresa ao Brasil é reduzir os preços, mas ainda assim pode estar muito longe da realidade da maioria dos brasileiros. (O Model S, primeiro carro da Tesla a ser vendido por aqui, chegou custando a partir de R$ 720 mil.) Um possível indicativo disso é que o país já vem enfrentando uma onda de fábricas de automóveis fechando. Será que a Tesla estaria disposta a arriscar investir no Brasil diante de uma cenário como esse? E por quanto tempo ela sobreviveria em terras brasileiras?

Conforme observado pela Exame, a expansão internacional da Tesla também não tem sido muito positiva. A construção da fábrica da montadora na Alemanha, por exemplo, vem enfrentando resistência. O local da construção é uma área florestada, e o grupo ambiental Grüne Liga Brandenburg (Liga Verde Brandemburgo) alega que a companhia não deveria ter iniciado a derrubada de árvores antes de conseguir a permissão para a construção. Assim, a derrubada foi temporariamente suspensa.

[NSC Total, Exame]