Brecha de segurança mais perigosa da história dos EUA foi causada por um pen drive

Em 2008, uma agência de inteligência estrangeira plugou um pen drive em um computador militar dos EUA, espalhando códigos maliciosos em redes militares: “Um programa cruel operando em silêncio, criado para entregar nossos planos operacionais nas mãos de adversários desconhecidos.” Ops.

Foi assim que o Secretário de Defesa William J. Lynn III descreveu o ocorrido em um artigo publicado hoje, com a esperança de que mostrar como informações perigosas correm riscos e como aumentar a segurança dos computadores deve ser levado como parte da segurança nacional. Oficiais do Pentágono disseram que é a primeira divulgação oficial sobre brechas de segurança na rede de computadores dos militares usada por inteligências de outras nações.

Um oficial militar, anonimamente, explicou a importância de manter essas redes seguras:

É por meio dela que nós ordenamos os movimentos de quem está na guerra. Se você estiver dentro, é possível mudar as ordens. Se quiser, você pode dizer “vire à esquerda” ao invés de “vire à direita”. Você pode dizer “vá para cima” em vez de “vá para baixo”.

De acordo com o artigo, o código malicioso foi carregado em um laptop militar no Oriente Médio e se espalhou sem ser notado por redes confidenciais e não confidenciais, esperando silenciosamente para enviar informações importantes para servidores estrangeiros. A brecha fez o Departamento de Defesa dos EUA proibir totalmente o uso de pen drives em 2008, medida que já foi alterada. [WaPo]

Crédito da imagem: Departamento de Defesa dos EUA

Sair da versão mobile