Uma dachshund (raça também conhecida no Brasil como salsichinha) de nove anos que sofria de um grande tumor cerebral ganhou um novo sopro de vida graças à tecnologia de impressão 3D.

A cadelinha, chamada Patches, apresentou uma pequena protuberância na cabeça. Com o tempo, o problema se agravou bastante. Em apenas alguns meses, o tumor cerebral se espalhou pelo crânio dela e ficou do tamanho de uma laranja, como descreve a Canadian Press.

• Startup brasileira quer possibilitar a impressão de casas de baixo custo em 3D já em 2019
• Este cãozinho precisou usar máscara de oxigênio em um voo e conseguiu sobreviver

Desesperada por ajuda, a família, que mora em Williamsport, na Pensilvânia, procurou os conselhos de Michelle Oblak, veterinária cirúrgica especialista em oncologia da Ontario Veterinary College, que tem utilizado impressões 3D para cuidar de cães.

Em casos como esse, o tumor e uma parte do crânio seriam removidos e uma malha de titânio seria colocada no lugar, como explicou Oblak. Em vez disso, a veterinária e sua equipe utilizaram um novo procedimento em que uma espécie de capacete é impresso em 3D, com as medidas exatas para o paciente. Os pesquisadores afirmam que o método é mais preciso e barato do que os métodos convencionais.

O titânio impresso em 3D substituiu 70% do crânio de Patches, que precisou ser removido durante a cirurgia. Oblak disse que pesquisadores do Reino Unido também realizaram um procedimento similar, mas em uma escala “significativamente” menor.

Este é o crânio de titânio customizado impresso em 3D. Imagem: Michelle Oblak

O primeiro passo para o procedimento foi a realização de tomografias computadorizadas da cabeça e tumor de Patches.

Com um software, Oblak e sua equipe utilizaram os dados das tomografias para simular a cirurgia, retirando o tumor do crânio virtual da cadelinha. Com isso, os pesquisadores conseguiram mapear as dimensões para a impressão do crânio em 3D, incluindo o local onde deveria haver furos para o arranjo dos parafusos.

Oblak conta que “havia pouquíssimo espaço para erros”. A placa não encaixaria se suas medidas estivessem erradas por mais do que dois milímetros. Os diagramas foram então enviados para a ADEISS, uma empresa de impressão 3D especializada em medicina, que produziu a tampa do crânio em titânio, feita sob medida.

No dia 23 de março, Patches passou por uma cirurgia de quatro horas, na qual seu tumor e dois terços de seu crânio foram removidos e a placa impressa em 3D foi colocada. Pouco mais de 30 minutos depois de acordar, Patches já estava andando – e ansiosa para fazer um xixi ao ar livre. Oblak, que está escrevendo um artigo sobre o procedimento, diz que Patches está livre do câncer.

Ah, bem melhor. Patches depois da cirurgia. Inagem: Dan Lopez

Danielle Dymeck, a dona da cadelinha, está muito contente com o sucesso da cirurgia, apesar de Patches agora ter uma orelha torta.

Infelizmente, Patches está tendo que lidar com outro problema sério de saúde, mas não relacionado ao câncer. A CBC noticia que, uma semana após a cirurgia, Patches teve uma hérnia de disco na região lombar e agora está com as patas traseiras paralisadas. Ela se nega a usar uma cadeira de rodas e prefere se arrastar usando apenas as duas patas da frente.

“Eu me sinto sortuda por ser a dona dela, e ela continua sendo a chefe da casa”, disse Dymeck.

[CBC]

Imagem do topo: Patches antes da cirurgia. Crédito: Michelle Oblak