A Califórnia deu um passo importante em sua batalha para combater as mudanças climáticas. Na quarta-feira (23), o governador Gavin Newsom anunciou a assinatura de uma ordem executiva que proibirá a venda de carros novos com motor de combustão interna no estado a partir de 2035.

Em um comunicado à imprensa, o governo Newsom disse: “O Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia desenvolverá regulamentações para determinar que 100% das vendas de novos carros de passageiros e caminhões no estado tenham emissão zero até 2035, uma meta que alcançaria uma redução de mais de 35% nas emissões de gases de efeito estufa e uma melhoria de 80% nas emissões de óxidos de nitrogênio de carros em todo o estado.”

É uma ação agressiva para lidar com a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa no estado, bem como nos EUA em geral. O estado responde por 1% de toda a demanda global de petróleo e é o segundo maior consumidor estadual de combustível nos EUA, depois do Texas.

Embora as vendas de novos veículos de combustão interna sejam proibidas, os californianos ainda terão permissão para dirigir e vender os carros a combustível que já possuem após o prazo de 2035 passar. A ordem também não cobre todos os veículos vendidos no estado.

Os reguladores são instruídos a desenvolver e propor novas regras que colocam a indústria automobilística no caminho para banir quaisquer novos veículos médios e pesados ​​que queimam combustíveis fósseis, uma realidade “viável” até 2045. Califórnia, Oregon e Washington estão considerando uma proposta para uma rodovia elétrica que poderia estimular a adoção mais ampla do transporte elétrico de carga.

Por vários anos consecutivos, a Califórnia vem sofrendo com os incêndios florestais cada vez mais comuns e destrutivos que os cientistas associam às condições criadas pelas mudanças climáticas. Os esforços do estado na área ambiental aumentaram gradualmente, e seus padrões atuais de emissão de combustível forçaram as montadoras a repensar suas linhas de produtos em geral, já que não têm interesse em perder o mercado de cerca de 40 milhões de pessoas que vivem na Califórnia.

“Este é o passo mais impactante que nosso estado pode dar para combater a mudança climática”, disse o governador Newsom em nota à imprensa. “Por muitas décadas, permitimos que os carros poluíssem o ar que nossas crianças e famílias respiram. Carros que causam asma nos nossos filhos não deveriam ser uma preocupação. Nossos veículos não devem piorar os incêndios florestais e criar mais dias cheios de fumaça. Os carros não devem derreter geleiras ou elevar o nível do mar, ameaçando nossas queridas praias e litorais.”

Newsom apresenta alguns bons argumentos. Eu também preferiria que os carros não derretessem geleiras. E embora os novos padrões de emissões de combustível da Califórnia sejam uma boa notícia, eles não serão suficientes para conter os perigos das mudanças climáticas. Os cientistas climáticos estabeleceram a meta de manter o aumento médio das temperaturas globais abaixo de 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais, se quisermos evitar o ponto sem retorno.

Um relatório de 2019 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) mostrou uma diferença tremenda e catastrófica entre um aumento de 1,5°C e um aumento de 2°C. Há apenas duas semanas, a Organização das Nações Unidas alertou que o planeta provavelmente atingirá aquele aumento de 1,5˚C em pelo menos um ano até 2024.