Não tem como negar que “Meninas Malvadas” foi um marco dos anos 2000. A história adolescente rendeu muitos memes e falas icônicas, além de definir a quarta-feira como o dia mundial da cor rosa.

Porém, a comédia adolescente também trouxe lados negativos para a carreira de Amanda Seyfried, que chegou a sofrer assédios do público por conta da sexualização da personagem Karen Smith.

Em entrevista à Marie Claire, ela contou que muitas pessoas, especialmente homens mais jovens, se dirigiam a ela fazendo referência à cena em que sua personagem, Karen, faz uma previsão do tempo apertando os próprios seios.

“Eu sempre senti que isso era um pouco nojento. Eu tinha, sei lá, 18 anos de idade. Era simplesmente nojento”, disse Amanda, que ainda acrescentou que esse tipo de assédio foi um dos principais motivos para que ela decidisse morar não em Los Angeles ou Nova York, mas em uma fazenda no interior dos EUA.

No entanto, essa não foi a única consequência que “Meninas Malvadas” trouxe para Seyfried. Apesar do filme estrelado por Lindsay Lohan e Rachel McAdams lançar a atriz ao estrelato, Seyfried explicou que o longa também contribuiu para que ela só conseguisse papéis similares aos da “amiga loira.”

“Meninas Malvadas realmente me colocou no mapa,” disse à Variety. “Em 2004, eu tinha que ter muito cuidado para não ser apenas ‘a loira bonita.’ Assim, logo no início da minha carreira, se eu não tivesse feito Big Love, eu seria Karen Smith. Todos os testes que tive para a primeira temporada foram apenas, tipo, amigas loiras. Eu não ia ser a líder, porque por algum motivo eu não me encaixava nisso. Eu não sei o que era.”