Recentemente, o Netflix deixou muita gente triste quando anunciou que irá bloquear proxies e VPNs para acessar seus serviços, impedindo assim um jeito popular (e numa zona meio confusa da legalidade) para ver TV online. Mas, de acordo com Reed Hastings, CEO da empresa, isto não é grande problema, porque ninguém estava fazendo isso.

Durante o anúncio de resultados financeiros da empresa, Hastings falou um pouco mais sobre a nova política:

“Não acho que veremos qualquer impacto. Nós sempre tivemos bloqueio a proxy com um lista negra, e agora reforçamos e expandimos esta lista, então acho que não veremos uma grande mudança.”

Questionado sobre o assunto, Hastings admitiu que o Netflix baniu VPNs a pedido dos provedores de conteúdo, citando “demandas legítimas”. Mas o CEO declarou não querer ficar preso nessa política — ao contrário, ele acha que o problema todo pode ser resolvido por meio de uma mudança para um licenciamento de conteúdo global, o que garantiria que qualquer pessoa no mundo tivesse acesso a um catálogo idêntico de filmes e série.

O objetivo de Hastings é muito bom — o licenciamento global iria superar uma bagunça de acordos de conteúdo e melhorar a vida dos usuários. Mas isso depende de uma mudança nos estúdios também. Enquanto eles tratarem o Netflix como a principal causa de certos tipos de pirataria — porque, em última análise, é isso que eles estão mostrando ao pedir o banimento do VPN — e não resolverem o motivo principal disso, com opções baratas e práticas de streaming para todos, os piratas vão dar um jeito de ver séries e vídeos — muitas vezes, sem pagar um centavo por isso.

[Netflix via TorrentFreak]