O aterrorizante sistema de “crédito social” da China não deve ser completamente implementado até 2020, mas já estamos vendo facetas dele sendo colocadas em prática. Em maio, pessoas que cometeram atos de “séria desonra” supostamente não poderão viajar em trens ou voos por até um ano.

• China constrói estação de trem de alta velocidade em apenas 9 horas
• Quem é a Tencent, a gigante chinesa que vale mais que o Facebook

Reuters foi quem primeiro noticiou a política anunciada em dois avisos publicados no site de Desenvolvimento Nacional e Comissão de Reforma da China. O sistema de crédito social é projetado para colocar impor várias barreiras a cidadãos que cometeram uma de uma série de violações como espalhar falsas informações sobre terrorismo ou se recusar a pagar uma dívida. A penalidade final incluirá proibições temporárias em viagens de avião ou trem para pessoas acusadas de infrações como usar bilhetes expirados ou deixar de pagar o seguro social. Segundo a Reuters:

A decisão está de acordo com o plano do presidente Xi Jinping de construir um sistema de crédito social baseado no princípio de “uma vez não confiável, sempre restringido”, dizia um dos avisos que foi assinado por oito ministros, incluindo o regulador da aviação do país e o Supremo Tribunal Popular.

A China sinalizou planos para lançar um sistema que permitirá a órgãos do governo compartilhar informações sobre a confiabilidade de seus cidadãos e emitir penalidades baseadas em uma chamada pontuação de crédito social.

De acordo com o Marketplace, o sistema já foi usado para recusar empréstimos a membros “descreditados” da sociedade. O programa foi inicialmente formulado em 2013, e a lista cresceu de modo a incluir 9,59 milhões de pessoas na metade de 2016.

As restrições de viagem foram seletivamente impostas a devedores no passado, mas as novas políticas estão expandindo as infrações que farão os cidadãos serem marcados em uma lista restritiva.

Diferentemente da versão moderna e colorida do sistema de pontuação terrível de Black Mirror, a China está simplesmente usando processamento de dados frios com o suporte de um governo altamente centralizado. Os cidadãos usam um número de identidade pessoal para negócios formais, como reservar um voo, e registros informais, como criar uma conta de rede social.

O presidente Xi Jinping consolidou seu poder por meio de uma agenda sistemática que é retratada como um esforço para acabar com a corrupção, mas que também inclui mirar seus adversários. O sistema de crédito social pode ser visto como uma expansão da campanha anticorrupção chegando aos cidadãos, e não existem motivos para acreditar que ele não será usado para outros fins.

[NDRC, NDRC, Reuters]

Imagem do topo: Getty