Funcionários de alto escalão da inteligência dos EUA reiteraram na quinta-feira (15) que não podem descartar a possibilidade de que a Covid-19 vazou de um laboratório do governo chinês, ao invés de se originar da transmissão de animais para humanos.

Durante uma audiência do comitê da Câmara sobre ameaças globais, a Diretora de Inteligência Avril Haines e o Diretor da CIA William Burns afirmaram que a controversa teoria da origem do novo coronavírus ainda estava sendo investigada pelas agências de espionagem dos EUA. Autoridades fizeram comentários semelhantes durante uma audiência no Senado na quarta-feira (14). Eles se recusaram a rejeitar a alegação cada vez mais discutida de que o vírus poderia realmente ter escapado de um laboratório — talvez o Instituto de Virologia de Wuhan, onde cientistas chineses são acusados ​​de ter conduzido experimentos militares envolvendo coronavírus e animais (Diplomatas estrangeiros também haviam expressado anteriormente preocupações sobre a segurança desta instalação.)

“Do nosso ponto de vista, simplesmente não sabemos onde, quando e como o coronavírus foi transmitido inicialmente. Temos duas teorias plausíveis nas quais estamos trabalhando”, disse Haines, quando questionado sobre o assunto na quinta-feira (15). “Uma delas é que foi um acidente de laboratório. E a outra é que surgiu naturalmente do contato humano com animais infectados.”

Os comentários também colocaram os funcionários da inteligência em desacordo com um relatório recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirma que a hipótese de vazamento de laboratório é “extremamente improvável” e que o vírus provavelmente se originou em fazendas de gado no sudeste da Ásia. Durante uma conversa na quinta-feira entre o deputado Brian Fitzpatrick e Burns, o diretor da CIA disse que sua agência não poderia endossar a avaliação do relatório:

BURNS: “Acho que neste momento, como disse o diretor Haines, isso é algo que ainda estamos analisando, com o benefício de todas as várias fontes que a comunidade de inteligência pode trazer para suportar.”

FITZPATRICK: “Mas, no que diz respeito à avaliação da OMS, eles obviamente se pronunciaram e disseram que é muito improvável. Isso é consistente com a avaliação da comunidade de inteligência?”

BURNS: “Acho que não é uma avaliação que estamos preparados para fazer neste momento. Estamos avaliando as duas opções descritas pelo diretor Haines”.

Quando pressionado, Haines subsequentemente reiterou o ponto: “Não fazemos a avaliação que o relatório da OMS fez — que é ‘extremamente improvável’…essa não é a nossa avaliação”.

Por mais estranho que possa parecer, a agência norte-americana não está sozinha. O relatório da OMS foi recentemente criticado pelo próprio diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que disse que não foram feitas pesquisas suficientes sobre o assunto e que “mais investigação” era necessária. Mais recentemente, o ex-diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do governo Trump, Robert Redfield, disse em uma entrevista à CNN que acreditava que a “etiologia mais provável” era “de um laboratório”, mas atualmente não está claro o que justifica essa avaliação.

É certamente uma reviravolta intrigante. Embora um grande grupo de cientistas continue a criticar esta teoria, mais e mais especialistas em saúde e funcionários do governo começaram a questionar as alegações iniciais sobre as origens da Covid-19 (essas alegações, é claro, mudaram com o tempo — e há muita discordância na comunidade científica sobre este tema, em geral). Agora, o que antes era considerado uma teoria da conspiração tornou-se cada vez mais uma linha de investigação legítima (ou pelo menos tolerável).

Assine a newsletter do Gizmodo

A comunidade de inteligência dos EUA tem sido uma das vozes mais consistentemente ambivalentes sobre esse assunto. Em abril passado, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional fez o anúncio incomum de que estava investigando as alegações de “vazamento de laboratório”, embora afirmasse não acreditar que o vírus fosse “feito pelo homem”. A ação foi originalmente atribuída ao governo Trump — que supostamente pressionava a comunidade de inteligência a endossar a teoria do “laboratório”. No entanto, sob a liderança de Biden, a agência parece dizer a mesma coisa.

Embora tudo isso seja muito interessante, vale observar que não teremos uma imagem clara de como esse desastre global começou por algum tempo — se é que algum dia saberemos. Após a divulgação do relatório da OMS, um grupo de cientistas recentemente pediu novas investigações politicamente neutras sobre as origens do vírus, então o melhor que podemos fazer neste momento é ficarmos atentos.