Em primeiro lugar, eu preciso dar parabéns ao Wall Street Journal pelo que considero provavelmente a melhor manchete de todos os tempos: “Cientistas Abatem Mosquitos com Lasers”. Eu espero que seja lá quem tenha escrito a matéria não esteja muito a fim de manter seu emprego lá.

O projeto, iniciado por Nathan Myhrvold da Microsoft, faz parte do esforço de erradicar a malária dos países subdesenvolvidos, onde é a principal causa de mortes. Ao testar os lasers, os pesquisadores usaram um desktop Dell antigo para localizar e zapear os mosquitos. O computador registrava cada mosquito tombado com um tiro de pistola, ou seja, você já sabe que isto é um experimento pra lá de divertido.

O problema agora, é claro, é como matar ou cegar mosquitos sem matar pessoas ou animais inofensivos. Entre as possíveis soluções há a opção de lasers em torno de uma casa ou vilarejo que cega os mosquitos, ou mesmo um avião que emite uma varredura de luz intensa. A tecnologia é tão avançada que pode até mesmo distinguir entre um mosquito macho e fêmea pelo padrão das suas asas; é uma distinção bastante importante, já que somente as fêmeas transmitem malária.

Este é de fato um esforço humanitário que podemos apoiar. E com apoiar eu quero dizer que eu poderia fazer parte da Força Tarefa Laser Anti-Mosquito. [Wall Street Journal]