Você já comprou morango e no dia seguinte já estava todo mofado? Cerca de 35% dos morangos frescos são descartados pelos consumidores por causa de resíduos de armazenamento inadequado ou por estarem “passados”.

As empresas americanas J.R. Simplot Company e a Plant Sciences prometem acabar com isso aplicando novas técnicas de edição genética (uma tecnologia chamada CRISPR).

Desde 2011 as companhias trabalham juntas em tecnologias de melhoramento e esperam lançar o primeiro morango com edição genética comercialmente já nos próximos anos.

Susan Collinge, vice-presidente das ciências das plantas na Simplot, disse em uma publicação no LinkedIn que a ideia de modificar os genes dos morangos pode estender o período de cultivo e reduzir o desperdício do consumidor.

E não só isso. Os agricultores também serão beneficiados, já que poderão cultivar morangos mais saudáveis ​ durante grande parte do ano.

À Associated Press (AP), Steve Nelson, presidente e CEO da PSI, disse que a equipe está totalmente motivada para desenvolver o que foi aprendido com a JR Simplot Company e que almejam ter um impacto na indústria de morango, oferecendo melhores variedades.

Como é feito

CRISPR-Cas9, tecnologia que modifica os genes da fruta, é uma abreviação para “Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas” –e acelera o processo tradicional de reprodução de geração após geração das plantas para obter uma certa característica desejável.

Algo que economiza anos no desenvolvimento de outras variedades, mas que são tão seguras quanto as tradicionalmente existentes, explicam os cientistas.

É basicamente como o Ctrl C + Ctrl V do computador: ela possibilita que os pesquisadores identifiquem um gene no morango e o eliminem. Em seguida, eles podem “costurar” as duas pontas do DNA da fruta novamente ou substituir o antigo por um que adicione melhoria. Neste caso, maior durabilidade.

Assine a newsletter do Gizmodo

Nelson contou que a PSI já cultivou cinco populações diferentes de morango ao longo dos últimos 35 anos, e cada uma cresce melhor em um clima e região diferentes. A equipe irá selecionar os genes mais desejáveis ​​dessas populações e usá-los para criar uma fruta mais durável.

[AP News]