Pela primeira vez na história, cientistas estão testemunhando a formação de uma nova lua em nosso sistema solar. A nave espacial Cassini da NASA detectou a formação de uma lua nas bordas dos anéis de Saturno. Astrônomos ao redor do mundo se encantaram com essa descoberta incrível, e deram a ela o nome de Peggy.

É bem empolgante ver isso acontecer em tempo real. Carl Murray – autor principal do artigo que descreve Peggy – diz que “nós nunca vimos algo assim antes. Podemos estar olhando para o ato do nascimento, onde esse objeto está deixando os anéis e se preparando para ser uma lua.” De acordo com a cientista do projeto Cassini Linda Spilker, do JPL da NASA em Pasadena, na Califórnia, “testemunhar o possível nascimento de uma pequena lua é um evento empolgante e inesperado.”

680873664699729329As imagens foram capturadas inicialmente no dia 15 de abril de 2013. Elas mostram um pequeno objeto gelado se formando nas bordas do anel A de Saturno, o mais largo deles. A gravidade do objeto está perturbando a borda, criando um arco brilhante de 1.200 km de comprimento e 10 km de largura.

De acordo com a NASA, “o objeto não deve crescer mais, e talvez esteja até se despedaçando.” No entanto, o processo de formação e o movimento de escape nos dão pistas sobre a formação das outras luas de Saturno também, assim como a formação dos planetas ao redor do Sol. O movimento mostra como a Terra pode ter se formado mais profundamente no sistema solar, e então lentamente foi se movendo para longe do sol.

Com base nesses fatores e em outros indicadores, pesquisadores recentemente propuseram que a lua gelada foi formada a partir de partículas do anel e então movida para fora, para longe do planeta, se fundindo com outras luas no caminho.

De acordo com Murray:

A teoria defende que Saturno há muito tempo tinha um sistema muito mais massivo de anéis capazes de dar a luz a luas maiores. Conforme as luas se formaram próximo às bordas, elas esgotaram os anéis e evoluíram, e, por isso, as que se formaram há mais tempo são as maiores e mais distantes.

Segundo a NASA , “a órbita da Cassini vai se mover para mais perto da borda do anel A no fim de 2016, o que dará uma oportunidade melhor de estudar a Peggy em mais detalhes, e talvez até em imagens.”