Cientistas da Agência Especial Europeia (ESA) mostraram que é possível fazer tijolos duráveis utilizando poeira lunar simulada e luz do sol concentrada. Um método similar pode permitir que pessoas imprimam em 3D suas próprias habitações e estruturas utilizando materiais encontrados na nossa Lua.

• Acredite, viver na Lua seria um inferno
• Como arranha-céus estão ficando cada vez mais altos sem perder a estabilidade

Se um dia formos colonizar a Lua – ou qualquer outro corpo celeste –, precisaremos elaborar uma maneira fácil e barata de fabricar materiais por lá. Enviar as coisas da Terra não é algo viável, isso sem mencionar que seria ambientalmente insensível. Para ver se o satélite natural do nosso planeta já está equipado com os materiais básicos para um projeto de construção, o pessoal da General Support Technology Programme, da ESA, conduziu um estudo de prova de conceito em que um forno e uma explosão de luz foram usados para preparar alguns tijolos.

O cientistas da ESA não tinham acesso a grandes quantidades de poeira lunar real, então eles recriaram a substância finamente granulada ao moer material vulcânico terrestre, de uma forma que imitasse bem o conteúdo. Trabalhando com o Centro Aerospacial Alemão DLR, em Colônia, os pesquisadores utilizaram duas montagens – uma envolvendo a luz do sol natural e outra com lâmpadas de xénon (do mesmo tipo que são encontradas nas salas de cinema). Um conjunto de 147 espelhos curvos foram utilizados para focar a luz em um feixe de alta temperatura.

“Pegamos o material lunar e o preparamos em um forno solar”, explicou Advenit Makaya, engenheiro de materiais da ESA, num comunicado. “Isso foi feito em uma mesa de impressão 3D, para assar sucessivas camadas de 0,1 mm de poeira lunar a 1000°C. Conseguimos completar um tijolo de 20 x 10 x 3 cm em cerca de cinco horas.”

Ambas as fontes de luz foram utilizadas para fabricar tijolos com a integridade estrutural do gesso. Os tijolos agora serão submetidos a testes mecânicos detalhados para determinar exatamente o quão resistentes e duráveis são. Infelizmente, alguns dos tijolos exibiram sinais de torção ao longo da borda, o que aconteceu pelo fato do centro demorar mais tempo para esfriar.

“Estamos vendo como contornar esse efeito, talvez ao acelerar ocasionalmente a velocidade da impressão para que menor calor se acumule dentro do tijolo”, disse Makaya. “Mas por enquanto esse projeto é uma prova de conceito, mostrando que um método de construção lunar como esse é de fato viável.”

tijolo-3d-lunarTijolo impresso em 3D utilizando poeira lunar simulada e luz do sol concentrada. (ESA-G.Porter)

A demonstração transpirou em condições atmosféricas padrão, mas um estudo de sequência, chamado projeto RegoLight, tentará produzir os tijolos em condições que se aproximem mais das encontradas na Lua – um ambiente de vácuo com altas temperaturas.

Encontrar maneiras de construir coisas fora do nosso planeta é uma boa ideia e algo a se considerar não apenas para a Lua, mas para Marte também. Para esse fim, os pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego recentemente fizeram tijolos de solo marciano simulado que são tão fortes quanto o concreto. A cada passo desse, estamos ficando mais perto de ir embora da Terra.

[ESA]

Foto do topo: base lunar sendo construída, com base no conceito de impressão 3D. (Créditos: ESA/Foster + Partners)