A ideia de que as velas de citronela afastam mosquitos é bobagem. Bom, pelo menos quando se trata de um dos sugadores de sangue espalhadores de doenças na Terra, o”repelente” natural não parece ter muito efeito.

• A ação humana está fazendo as abelhas se cansarem da gente
• Médicos tiram barata viva da cabeça de uma mulher depois de ‘sensação de formigamento’

Em um novo estudo publicado no Journal of Insect Science, cientistas colocaram diversos tipos de repelente de mosquito em testes, entre eles spray, pulseiras repelentes e velas. Eventos recentes, como o surto do zika vírus, despertou um interesse em novas maneiras de controlar as populações de mosquitos. Mas acontece que alguns dos métodos antigos, como as velas de citronela, não funcionam nem um pouco.

“Se você pesquisa ‘repelente de mosquitos’ na Amazon, há mais 25 mil resultados”, disse Stacy Rodriguez, pesquisadora da Universidade Estadual do Novo México. “Os consumidores acham que só porque o produto está lá ele irá te proteger. Isso simplesmente não é verdade. O comprador precisa estar atento a isso, especialmente quando com o zika por aí.”

Rodriguez e seus co-autores estavam interessados em testar a eficácia de produtos para o consumidor que alegavam repelir mosquitos contra o Aedes aegypti, espécie comum de mosquito que o principal transmissor da febre amarela, da dengue, do zika vírus e da chikungunya, além de ser notoriamente difícil de se controlar. Uma série de sprays, velas e pulseiras com ingredientes ativos como óleo de citronela, geraniol, DEET e óleo de eucalipto citriodora fazem afirmações como, por exemplo, de que oferecerão “250 horas de proteção contra insetos”. Rodriguez se interessou em investigar se isso era mesmo verdade. Ela estava especialmente cética sobre produtos que afirmavam oferecer uma alternativa “natural” ao DEET, repelente que é considerado seguro pelos cientistas mas que, ainda assim, havia espalhado medo entre “quimiofóbicos”.

Os cientistas observaram cinco sprays, cinco dispositivos de se “vestir” no corpo e uma vela de citronela. Para testar se eles intimidavam com eficácia os mosquitos ávidos por sangue, replicaram as condições que você pode encontrar no quintal de alguém: um humano sentado na ponta de um túnel de vento como “isca”. Então, os cientistas mediram quantos mosquitos se moviam em direção a ele, enquanto usava cada um dos repelentes. Para cada produto, dois seres humanos corajosos e altruístas estiveram sujeitos ao ataque de 50 a 125 mosquitos. Todos os testes foram replicados, para garantir a avaliação.

Eles descobriram que os repelentes em spray contendo DEET e mentoglicol, um pesticida derivado de eucaliptos, eram os mais eficazes. Outro repelente químico, a metoflutrina, contida em alguns repelentes de se vestir no corpo, também era eficaz. A vela de citronela não teve efeito algum.

“Concluímos que muitos dos produtos que testamos e que eram vendidos como repelentes não reduziam a atração dos mosquitos por humanos”, escreveram os autores.

Ou, como Rodriguez colocou ao Gizmodo: “Esses mosquitos são altamente agressivos. É preciso de muito para detê-los. E a citronela não fez isso de maneira alguma”.

Porém, embora o teste de Rodriguez tenha descoberto que a citronela não é um repelente de verdade, pelo menos contra o Aedes aegypti, ela está listada pela FDA (órgão norte-americano responsável pela fiscalização de uma série de produtos, entre eles medicamentos) como um repelente de insetos. Foi registrada como repelente de insetos pela primeira vez em 1948, pela EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos), para afastar mosquitos e pernilongos. Entretanto, na década de 1990, a EPA decidiu que a citronela estava na lista de produtos que ofereciam “risco mínimo à saúde humana” e então a eximiu de regulação (embora o site da EPA aponte que “produtos feitos desses ingredientes não foram avaliados para eficácia”).

O estudo de Rodriguez não é o primeiro a chamar atenção para a falta de eficácia da citronela. Um estudo descobriu que o óleo de citronela pode repelir mosquitos por até duas horas quando não é diluído nem um pouco. Porém, normalmente os produtos contêm pequenas concentrações do óleo, entre 5% e 15%. Estudos anteriores sugeriram que tais produtos podem funcionar como repelentes por apenas 20 a 30 minutos. Em outro estudo, Rodriguez, de forma similar, descobriu que a citronela não era muito eficaz contra outro mosquito comum propagador de doenças, o Aedes albopictus.

“Neste momento, isso virou um grande negócio na internet, em que você vê todas essas pulseiras de citronela propagandeando proteção contra mosquitos. A citronela está aí há muito tempo, sendo aceita como repelente natural”, disse Rodriguez. “Mas não funciona. E, de algum jeito, essa informação ainda não foi espalhada por aí.”

Rodriguez disse que outros estudos precisam ser feitos para replicar seus resultados e explorar a eficácia desses produtos contra outras espécies de mosquito. Enquanto isso, no entanto, na próxima vez que você for comprar spray repelente, melhor pegar aquele com DEET.

[Journal of Insect Science]