A vida selvagem de Fukushima tem sido intensamente estudada desde que o tsunami e o desastre nuclear atingiram a região há uma década. Mas em um novo estudo, os cientistas detalham como a vida selvagem está sendo recrutada para monitorar a própria região.

Em um artigo, publicado na Ichthyology & Herpetology, os pesquisadores relatam como montaram cobras com equipamentos especiais para medir os níveis de radiação ao redor do local. Os cientistas combinaram esses resultados com outro artigo publicado no ano passado na Environment International — que correlacionou os níveis de radioatividade em cobras em Fukushima com os níveis de radioatividade no solo para obter melhores informações de como esses animais estão respondendo à radioatividade em seus ambientes.

Pode parecer estranho focar em cobras da Zona de Exclusão de Fukushima – a área de 1.150 quilômetros quadrados em torno do reator de onde as pessoas foram evacuadas após o desastre. Mas elas são animais perfeito para verificar a saúde geral de um ecossistema em uma região onde os cientistas ainda estão tentando descobrir as ramificações de longo prazo do colapso e explosão de 2011.

“As cobras costumam ser pouco estudadas quando se trata de outros animais, mas na verdade são uma parte vital de muitos ecossistemas”, disse Hannah Gerke, principal autora do estudo, por e-mail. “Elas podem atuar como predadores e presas na cadeia alimentar, o que significa que têm o potencial de acumular contaminantes das presas que comem e também ser uma fonte de contaminantes para outros animais que os comem.”

Além do mais, os principais radionuclídeos que permanecem no ambiente em Fukushima tendem a se fixar no solo – onde as cobras passam muito tempo deslizando. “Como as cobras passam muito tempo em contato direto com o solo, suspeitamos que pode acumular altos níveis de contaminantes e ser exposto a maiores quantidades de radiação do solo”, disse Gerke. “Também sabíamos que as cobras não eram tão móveis quanto animais como pássaros ou grandes mamíferos, então esperávamos que isso pudesse torná-las mais propensas a ter níveis de contaminantes semelhantes aos do ambiente ao redor.”

A primeira parte da análise foi rastrear para onde elas estavam indo dentro do FEZ. A radiação dentro da área não é consistente, mas varia entre os habitats e tipos de terreno. “O lugar onde um animal escolhe passar seu tempo pode ter uma influência significativa na quantidade de radiação a que é exposto”, disse Gerke.

Para descobrir onde as cobras estavam indo, a equipe conectou transmissores de GPS a nove cobras rato, uma espécie comum no Japão, que foram então soltas em um local cerca de 24 quilômetros ao norte do local da usina e monitoradas eles por um mês. Os transmissores também tinham um minúsculo chip, chamado dosímetro, que mediu a dose total de radiação para a cobra durante o período de rastreamento.

Durante o período de um mês em que os pesquisadores as observaram, eles registraram mais de 1,7 mil locais visitados. Isso deu aos pesquisadores muitas informações valiosas sobre os movimentos das cobras.

“Descobrimos que as cobras se movem por distâncias relativamente pequenas e tendem a passar mais tempo perto de riachos, bem como em árvores e prédios abandonados”, disse Gerke. “Seus movimentos limitados significam que elas podem ser bioindicadores úteis – o que significa que o nível de contaminação pode indicar alta ou baixa radiação no ambiente onde vivem. No entanto, também encontramos grandes diferenças no uso de habitat individual, o que pode levar a variações nas doses de radiação. Por exemplo, uma cobra que passa a maior parte do seu tempo na copa das árvores longe de solo contaminado pode ser exposta a menos radiação do que uma que vive principalmente no solo.”

A partir dos dados coletados e usando a pesquisa do artigo de 2020, a equipe estimou que cerca de 80% da dose de radiação das cobras durante esse tempo veio do solo, árvores e plantas, enquanto apenas 20% vieram de contaminantes ingeridos pelas cobras em suas presas. Gerke disse que os dados coletados pelo número comparativamente pequeno de cobras marcadas podem ser extrapolados para fazer estimativas para populações maiores em áreas radioativas. A equipe ainda não decidiu o que exatamente acontece com as cobras quando elas coletam toda aquela radiação – mas como elas são bioindicadoras tão úteis, Gerke disse que há espaço para muitos mais estudos.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Infelizmente, neste momento não temos muitas informações sobre os efeitos da radiação em cobras”, disse ela. “Em comparação com outros grupos de animais, como mamíferos, sabemos muito pouco sobre como a radiação crônica afeta os répteis ou quais níveis são prejudiciais a eles. Nossa pesquisa tem como objetivo chamar a atenção para essa falta de conhecimento e fornecer uma linha de base que nos ajude a determinar a quais níveis de radiação as cobras podem ser realisticamente expostas à medida que se movem por seu habitat”.