Texto de Leandro Beguoci e Nadiajda Ferreira

Camila Gadelha é publicitária e aproveitou uma viagem aos EUA para comprar o iPhone 6. O aparelho anterior dela, um 4S, durou três anos. Esse foi um dos fatores que fizeram com que ela optasse pela Apple novamente.  Ela tem outros aparelhos da marca e a convergência do ecossistema também valeu pontos na hora de escolher o novo celular. Mas Camila é categórica quando perguntamos se ela compraria o iPhone 6 pelo preço que ele está sendo vendido no Brasil. Não, é claro.

Lista de preços: Veja quanto custa um iPhone 6 e o iPhone 6 Plus nas operadoras e no varejo

O lucro da Apple: iPhone puxa faturamento, mas iPad preocupa

Já André Ferraz topou trocar de aparelho porque sua operadora ofereceu a chance de ele receber o telefone sem pagar nada por isso, usando somente seus pontos de cliente. Ele tinha um iPhone 5S – que também veio de uma promoção da operadora – e aceitou a proposta porque não ia gastar nada e também aprecia o ecossistema Apple. Ele conta que quase voltou para o Android no começo do ano (a escolha seria o MotoX), mas acabou mudando de ideia por causa da câmera de vídeo. Ele também não compraria o iPhone no preço cheio, mas pensaria no caso dependendo das condições que a operadora oferecesse e se parte do valor pudesse ser pago em pontos.

Esses são apenas alguns dos dilemas de quem se acostumou com os iPhones ou gostam do ecossistema da Apple. Só dá para comprar lá fora ou com um baita subsídio. O balanço entre apreço e preço começa, cada vez mais, a pesar na hora de escolher o próximo aparelho.

Milhares de reais no bolso

Na semana passada, os iPhones 6 foram lançados no Brasil. Bem diferentões dos modelos 4, 4S, 5 e 5S, os novos iPhones deram uma boa sacudida no paradigma do smartphone que a Apple vinha lançando nos últimos anos. E, além disso, rolou toda aquela coisa de que o iPhone 6 Plus pode entortar só de ser colocado no bolso – além de outros probleminhas. Pô, Apple. Assim fica difícil. Mas não basta ficar difícil tecnologicamente falando, tem que ficar muito complicado financeiramente também: estourar a barreira dos três mil reais num smartphone é, no mínimo, controverso – para ser gentil.

Mesmo quem tem uma boa grana pra sair gastando por aí vai pensar duas (ou três, quatro, oitenta e sete) vezes antes de fazer um investimento desse porte num telefone, por mais esperto, maravilhoso e cheio de experiências que ele seja. Afinal, são muitos mil reais que você vai carregar no bolso ou na bolsa todo dia. Por mais dinheiro que você tenha, convenhamos, essa grana é muita grana num país em que a maior parte da população não ganha isso por mês.

Quando um estrangeiro descobre quanto custa um produto da Apple no Brasil é provável que ele precise recolher o queixo do chão em seguida. Nós simplesmente temos o iPhone mais caro do mundo. Na Europa, os produtos da Apple não são exatamente baratos, mas também não são exorbitantes. Nos Estados Unidos, os iPhones são celulares como quaisquer outros, com preços à prova de desmaio.

Claro, tem a carga tributária, e tals. Sim, tem. Mas por que outros aparelhos muito bons conseguem ter preços bem mais baixos do que os iPhones? Você pode dizer, claro, que a tecnologia Apple é infinitamente superior e, portanto, é cara mesmo. Mas com outras marcas desenvolvendo aparelhos cada vez mais high end, essa conversa não cola mais. Então vale a pena cogitar outras possibilidades. Afinal, o preço de um aparelho não é formado apenas pelo que tem dentro dele. Pergunte para o seu amigo economista como é feita a formação de preços. O cálculo é muito mais complexo.

Quando começamos a  nos comportar como torcida organizada com os celulares? (foto: Giovanni Gallucci/Wikipedia)
Quando começamos a nos comportar como torcida organizada com os celulares? (foto: Giovanni Gallucci/Wikipedia)

O preço Apple

No Brasil, a Apple corre em três pistas: nicho, fetiche e ostentação.

Nicho porque existem vários profissionais de áreas como design, edição de vídeo e animação que, em geral, tendem a usar os computadores da Apple para trabalhar. Os argumentos mais comuns são de que os programas funcionam melhor nessas máquinas, a usabilidade é incrível, a diferença entre o resultado final e a máquina é ínfimo. Ótimo: há um valor claro no uso da Apple.

A outra pista é o fetiche. Em alguns casos, pagar o preço cheio de um aparelho Apple – seja celular, laptop, desktop – só é opção para a pessoa que não abre mão da marca de jeito nenhum e está disposta a abrir mão de outras coisas por isso. De novo: jogo jogado. Há pessoas que realmente conseguem explicar passo a passo porque só faz sentido ter um computador se ele for Apple. É normal. Há um valor emocional, de identificação, com a marca. Há várias coisas na vida que são assim.

Por fim, a última pista é a da ostentação. Vários malucos por Apple se ressentem da “orkutização” da marca nos últimos anos. A Apple virou símbolo de ostentação – especialmente os modelos brancos – para uma parte das pessoas. Não é questão de nicho ou de fetiche. É porque a Apple, para essas pessoas, é uma marca como Rolex, Ferrari ou Ray Ban. A marca é um valor em si porque te diferencia das outras pessoas. Simples assim.

O tiozão do carro

Se você tem mais de 20 anos de idade, é bem provável que já tenha ouvido seus tios discutindo sobre carros no churrasco da família. E não numa discussão de boa, mas uma conversa esquentada, quase uma briga: de um lado, um cara sacudindo um espeto cheio de picanha dizendo que os carros da Fiat sempre foram os únicos veículos realmente confiáveis neste país; do outro, um sujeito brandindo um facão de cortar carne e um pacote de sal grosso enquanto responde aos gritos que Fiat é apenas uma Fábrica Italiana Atrapalhando o Tráfego. Nada se compara a um baita Volkswagen.

Que coisa: A tecnologia defeituosa que impediu os iPhones de usarem telas de safira

Quando foi que nós começamos a tratar os celulares como nossos pais tratavam os carros? (Foto: Dual Freq)
Quando foi que nós começamos a tratar os celulares como nossos pais tratavam os carros? (Foto: Dual Freq)

Você pode até ter rido (ou participado ativamente…) de uma cena dessas. Mas já parou para pensar como os celulares estão se tornando os novos carros? A gente vê bem aqui no Gizmodo. Os aparelhos polarizam as discussões tal como petistas e tucanos, fãs de um carro versus adoradores de outro. Na nossa seara, na maior parte das vezes a Apple é o pivô das polêmicas tecnológicas. É ame ou deixe-o total e absolutamente.

A Apple sempre trabalhou com um foco muito grande em design e usabilidade. A marca use esses trunfos para se diferenciar nos EUA e em outras partes do mundo de uma infinidade de outros fabricantes. Já aqui, no Brasil, o posicionamento da marca parece ter ficado meio torto: se lá fora a Apple atende a uma gigantesca gama de clientes que vão dos profissionais de design até mães de família, por aqui MacBooks, iPhones e até mesmo iPads são considerados artigos de luxo, por conta do preço praticado.

Só que é preciso ter um balanço. Se você colocar o preço muito nas alturas, pode começar a criar rachaduras nessa imagem. As pessoas desconfiam da aura: é aura mesmo ou jogada de marketing? Quem era fã e já não pode mais pagar aquela grana começa a flertar com outras opções.

E é aqui que a Apple se prejudica: quando o iPhone 6 chega aqui custando R$3.000, é comum que a questão da qualidade do aparelho nem entre na discussão, porque ela é completamente ofuscada pelo preço astronômico. Justamente aquilo que era mais importante para a Apple começa a se diluir. A diferenciação cede lugar ao sentimento de exploração — não importa que você crie uma máquina que conversa com você, penteia seu cabelo, vira seu amigo e resolve todos os seus problemas. Parece que tem algo errado. Vira piada.

E, convenhamos, a discussão para nós, do Gizmodo, é simples. Nós queremos tecnologias que funcionem, tecnologias para pessoas reais. Com ou sem maçã, coreana ou chinesa, com fetiche ou sem fetiche. O lance é recolocar a discussão: o valor é compatível com o benefício que a marca, qualquer marca, entrega para você? O preço gigante da Apple é uma boa oportunidade para driblar as torcidas organizadas de celular e começar a fomentar discussões tecnológicas que realmente valem a pena.

Imagem principal: Reprodução