Há mais de 800 anos entre as primeiras histórias do deus viking Loki e sua chegada (no soberbo Tom Hiddleston) ao universo cinematográfico Marvel, em “Thor”. A nova série do Disney+, “Loki”, com lançamento previsto para 9 de junho, está preparada para explorar mais travessuras do irmão trapaceiro de Thor enquanto ele tenta consertar a linha do tempo que ajudou a quebrar em “Vingadores: Ultimato”. Entre seus muitos talentos, Loki trapaceou a morte algumas vezes no MCU, mas isso equivale a uma brincadeira de criança para este deus.

Na mitologia nórdica, Loki causa tanta confusão quanto sua iteração da Marvel. Embora não existam histórias de ele vencendo a morte, existem muitos mitos em que ele muda de forma, troca de gênero ou engana os deuses para matá-los. No universo Marvel, ele é bastante propenso a troca de lealdade. Vamos mergulhar na jornada desse encrenqueiro.

Qual é a origem de Loki?

As lendas em torno do deus nórdico foram documentadas pela primeira vez por escrito por volta do século 13, principalmente na Islândia. Existem duas versões dessas lendas que entram no registro histórico na mesma época — A Edda em verso e a Edda em prosa. A Edda em verso é uma coleção anônima de poemas nórdicos antigos extraídos principalmente de um manuscrito medieval islandês conhecido como Codex Regius (alguns dos poemas datam de 800 d.C.). A Edda em prosa é um livro de texto em nórdico antigo para compor poesia que foi escrito por um único autor, Snorri Sturluson, um historiador, estudioso e palestrante legislativo islandês colorido.

“Dentro dos mitos, você pode ver Loki deixando de ser apenas travesso para ser absolutamente mau. Se você pensa nele apenas como um travesso, ele é, na verdade, uma força criativa e muitas vezes acaba recebendo os deuses muito de suas posses mágicas, como o Martelo de Thor, por meio de sua astúcia.”

“Quase tudo que sabemos sobre Loki veio de Snorri Sturluson”, disse ao Gizmodo a estudiosa de mitologia viking Nancy Marie Brown, autora de “Song of the Vikings: Snorri and the nórdico Myths”. Brown diz que isso foi muito apropriado, visto que “Snorri era uma figura bastante trapaceira”. Ao chamá-lo de “Homero do Norte”, Brown também reconhece que Snorri passou uma vida “tramando para amigos e familiares… conspirando e conspirando, estourando e fugindo” — uma vida que acabou levando à sua morte não heroica em uma camisola onde suas(supostas) palavras finais foram “não ataque!”. Em ambas as Eddas, Loki é sempre retratado como um malandro astuto. Na Edda em prosa, Snorri descreve Loki como “agradável e bonito na aparência, mau no caráter, muito caprichoso no comportamento. Ele possuía em um grau maior do que outros [deuses] o tipo de aprendizado que é chamado de astúcia.”

Além das aparências, Loki está sempre criando problemas para os deuses e, então, habilmente os livrando da bagunça que fez. Ele é o pai da serpente Midgard destinada a trazer o Ragnarok, o fim do mundo na mitologia nórdica. Ele convence o deus cego Hodr a matar o belo e favorecido deus Baldur. Ele sequestra a deusa Idun para salvar seu próprio couro de um gigante furioso. O personagem mitológico está constantemente mudando de lado — às vezes apoiando os deuses e às vezes seus inimigos, os gigantes. No MCU, Loki é tanto herói quanto vilão – em “Os Vingadores”, ele abriu um buraco de minhoca na cidade de Nova York liberando monstros alienígenas e em “Thor: Ragnarok” ele ajudou Thor a salvar os Asgardianos da ira de Hela.

Thorwald's Cross, uma pedra rúnica fragmentada representando Odin sendo consumido
Thorwald’s Cross, uma pedra rúnica fragmentada representando Odin sendo consumido. Imagem: Domínio Público

Loki pode ter começado como um deus nórdico do fogo — apenas considerando como o fogo pode ser “útil e destrutivo”, disse Brown. O fogo pode queimar sua casa e cozinhar seu jantar. É complicado — assim como Loki. Como diz Brown, “você pode ver seus dois lados ali [refletidos no fogo]”. Brown também explica que provavelmente houve uma transformação em Loki ao longo dos séculos. “Dentro dos mitos, você pode ver Loki deixando de ser apenas travesso para ser mau. Se você pensa nele apenas como um travesso, ele é na verdade uma força criativa e muitas vezes acaba recebendo os deuses muito de suas posses mágicas, como o martelo de Thor, por meio de sua astúcia.” Novamente, é como o Loki da Marvel, que às vezes ajuda os outros deuses, como quando ele se juntou a Thor para escapar em “Thor: Ragnarok”.

Qual é a relação de Loki com o Diabo?

Na longa e lenta conversão dos Vikings ao Cristianismo que ocorreu entre os séculos 9 e 12, Loki tornou-se um paralelo ao Diabo Cristão. Os elementos criativos e positivos dele desapareceram, deixando apenas o deus favorecido pelo Pai (Odin/Deus) antes de ser expulso. (Parece um pouco com Lúcifer, certo?) O cristianismo pinta um mundo que é muito mais preto e branco, bom versus mau do que a religião pagã nórdica — há pouco espaço para uma figura cinzenta e ambígua como Loki. Como diz Brown: “A religião cristã insiste que você está conosco ou contra nós. Considerando que, no que entendemos da religião pagã Viking, havia muitos tons de cinza. Havia um espectro no qual você podia se mover para frente e para trás. Você não era uma coisa ou outra. Você não era totalmente feminino ou totalmente masculino. Você não era totalmente bom ou totalmente mau.”

Assine a newsletter do Gizmodo

Loki sempre se moveu com fluidez entre essas duas polaridades — ajudando Thor em uma história, causando uma derrubada dos deuses em outra. Em um conto, Loki se transforma em uma égua, tornando-se a mãe do grande cavalo de 8 pernas de Odin, Sleipnir. Em outra, ele é o pai do lobo Fenrir. A Igreja realmente não conseguia lidar com toda aquela área cinzenta que Loki gostava de habitar, por isso acabou por considerá-lo o próprio diabo. “[Monges] tiveram que classificar os deuses em santos e demônios, e Loki por ser sexualmente ambíguo e também moralmente ambíguo cai na [categoria] do diabo”, explicou Brown. Embora o Loki da Marvel certamente canalize um pouco do demônio às vezes, felizmente ainda não o vimos se tornar tanto a mãe quanto o pai dos monstros com várias pernas e fim do mundo no Universo Marvel. Mas, ainda há tempo, especialmente com a nova série que chegará às telinhas pelo Disney+.

Quando foi o renascimento de Loki?

Após a conversão Viking, os mitos nórdicos começaram a desaparecer, e Loki com eles – até os anos 1600, quando manuscritos medievais como aqueles contendo a Edda em prosa e a Edda em verso começaram  a ser traduzidos. “O motivo pelo qual [esses mitos] se tornaram populares foi por causa do nacionalismo”, disse Brown. “Em meados de 1800, havia a ideia de que o que distinguia uma nação de outra era sua herança cultural.” Isso estimulou Jacob Ludwig Karl Grimm e Wilhelm Carl Grimm — conhecidos por muitos simplesmente como os Irmãos Grimm — a ir “coletar as histórias da população local para provar que a Alemanha era uma nação, não um conjunto de estados. Você teve a mesma coisa acontecendo na Irlanda para provar que eles eram diferentes dos ingleses e você tem a mesma coisa acontecendo na Islândia, Noruega, Suécia e Dinamarca.” Isso eventualmente fez com que os nazistas se apropriassem dos mitos nórdicos em sua busca distorcida de alegar a supremacia ariana.

Após a Guerra Civil, os Estados Unidos também olharam para a Idade Média para redefinir a identidade fragmentada do país. Como Chris Bishop, autor de “Medievalist Comics and the American Century”, explicou ao Gizmodo, “[a Idade Média] ofereceu uma estética individualista (pense: o cavaleiro errante, Robin Hood, etc.), dada a interpretações de excepcionalismo (Camelot, o antigo e futuro rei), venerável (onde antigo se igualava a estabelecido e respeitável) e (ao contrário do Classicismo) cristão. ” A Idade Média, ou mais precisamente a remixagem da Idade Média conhecida na academia como “medievalismos”, atraiu muitos americanos obcecados com ideias de excepcionalismo e singularidade americanos no século 19. Eventualmente, a obsessão dos EUA com a Idade Média fez o seu caminho para os quadrinhos, começando com Prince Valiant, em 1937, uma HQ criada por Hal Foster ambientada nas lendas do Rei Arthur. Outros quadrinhos medievalistas se seguiram, levando à inclusão de deuses nórdicos como Loki, Thor e Odin.

Primeira aparição de Loki nos quadrinhos de 1949 da Vênus.
Primeira aparição de Loki nos quadrinhos de 1949 da Vênus. Imagem: Wikicommons

Quando o Loki da Marvel Comics foi lançado?

Embora Loki tenha aparecido pela primeira vez na história em quadrinhos Venus, de 1949, com estilo de (você adivinhou) diabo, o Loki da era moderna não chegou ao cenário de quadrinhos até que os co-escritores e irmãos Stan Lee e Larry Lieber o adaptaram em “Journey” na edição de 85 de “Mystery”, de 1962. É nessa edição que Loki “se torna inimigo/aliado/irmão/irmão adotivo/etc de Thor”, disse Bishop. A personalidade travessa do deus nórdico permanece basicamente a mesma no Loki das histórias em quadrinhos e filmes e ainda mantém a capacidade de trocar de gênero às vezes.

Nos quadrinhos, Loki é criado como irmão de Thor, em Asgard — em algum lugar as histórias da Marvel divergem da mitologia nórdica. São Loki e Odin os irmãos jurados nos mitos nórdicos, não Loki e Thor. Como explica Brown, “Loki e Odin são irmãos de sangue, o que significa que são ainda mais próximos do que irmãos de verdade”. No mundo Viking, duas pessoas que fizeram um juramento de sangue uma à outra formavam um vínculo que ia além da família, e assim foi o relacionamento de Loki nórdico e Odin. Como Bishop aponta, a dinâmica Loki/Thor dos quadrinhos e filmes é um “arquétipo clássico e estereotipado”. Thor é o “grande, bonito (mas um pouco burro) herói” e Loki é “seu amigo frágil, peculiar, mas superinteligente. Loki é a sombra incompreendida e vulnerável com a qual o público pode se identificar, alcançar e cuidar. Thor é aquele atleta idiota que todos admiravam na escola, mas Loki era a criança legal, quietinha que mais tarde fundaria uma gigante da tecnologia.”

Por que Loki é chamado de trapaceiro?

O que permanece consistente com Loki é que ele sempre faz o papel de trapaceiro. Ele é a manifestação do arquétipo do psicólogo Carl Jung: o trapaceiro perturba o indivíduo e/ou a sociedade, causando crescimento ou destruição. A cientista social Helena Bassil-Morozow aponta que, quando se trata de Loki, “apesar do fato de que os detalhes narrativos entre as histórias medievais de Loki e suas versões contemporâneas variam, a ideia principal permanece a mesma — o trapaceiro ataca impiedosamente aqueles que estão no poder e quase causa o fim do mundo.” Tanto nos mitos nórdicos quanto na Marvel, o mundo precisa ser salvo de Loki. Ele atua como o catalisador para uma série de convulsões — convulsões que, nos mitos nórdicos, causam Ragnarok.

Loki “funciona como um locus de salvação (literalmente, um filho pródigo).” Loki só pode ser um salvador. Ele é alguém para quem o público pode olhar e pensar “se Loki pode ser redimido, eu também posso”.

Talvez seja aí que as duas narrativas mais diferem. Nos contos nórdicos, o fim do mundo em Ragnarok é inevitável. Odin e Thor morrerão. Tudo irá mudar. Os vikings viviam sabendo que seu mundo acabaria. No MCU, não sabemos como a história termina, além de que Ragnarok já aconteceu e ainda assim os Asgardianos continuam vivos. Ainda há esperança de que Loki venha a provar ser bom e que os outros super-heróis salvem o mundo de qualquer caos que tenha causado, ou pelo menos torcemos para isso na próxima série do Disney+. Como Bishop coloca, Loki “funciona como um locus de salvação (literalmente, um filho pródigo).” Loki só pode ser um salvador. Ele é alguém para quem o público pode olhar e pensar “se Loki pode ser redimido, eu também posso”, explica Bishop.

Enquanto o Loki dos Vikings causou o fim do mundo, o Loki de hoje pode apenas salvá-lo. Ou talvez não. E talvez essa seja a graça do trapaceiro — você nunca sabe bem o que eles farão.