Algo aconteceu com a nossa ideia de futuro. Nos filmes ou programas de TV antigos, o futuro era frequentemente descrito como um mundo totalmente alienígena, uma paisagem quase irreconhecível de carros voadores e clones fora de controle.

Em uma série como Black Mirror, por outro lado, o futuro geralmente se parece muito com o presente, mas com realidade virtual de maior qualidade. Essa disparidade imaginativa  poderia ter algo a ver com a progressão da internet?

A web foi o salto tecnológico mais significativo em gerações, cujo potencial parecia ilimitado – e ela permaneceu mais ou menos com a mesma cara por mais de uma década. O Twitter e o Facebook podem parecer diferentes comparados com o que eram em 2009, mas não tão diferentes. Parece que alcançamos uma espécie de estagnação, e não está claro o que poderia mudar isso.

A internet parecerá radicalmente diferente em dez anos ou apenas um pouco mais elegante? Para o Giz Pergunta desta semana, contatamos vários especialistas para ter uma ideia de como a internet pode parecer daqui a uma década.

Sarah J. Jackson

Professora Presidencial Associada da Escola Annenberg de Comunicação, Universidade da Pensilvânia

Em 2030, a forma da internet dependerá totalmente se defensores e formuladores de políticas de justiça puderem restabelecer e fortalecer a neutralidade da rede. Se não puderem, e dado o recente desmantelamento da neutralidade da rede e outras políticas que centralizam o acesso democrático, em 2030 a internet irá apresentar mais anúncios, velocidades mais lentas, mais conteúdo e plataformas selecionadas corporativamente refletirá menos diversidade de usuários. As elites terão acesso a uma internet privada cara e mais rápida e melhor, e as antigas preocupações com a exclusão digital terão um novo significado.

“Em 2030, a forma da internet dependerá totalmente se defensores e formuladores de políticas de justiça puderem restabelecer e fortalecer a neutralidade da rede.”

Brian McCullough

Apresentador do Podcast Techmeme Ride Home e autor de Como a Internet aconteceu: do Netscape ao iPhone

Com certeza, estamos prestes a ver uma internet bifurcada. Já estamos vendo isso acontecer. Não é apenas que haverá uma versão chinesa da internet e uma versão “ocidental” da internet, onde uma é mais trancada/vigiada/censurada e a outra ainda é o bem comum baseado em padrões abertos, amplamente não regulamentado que nós usamos há pelo menos 30 anos. A questão está se ampliando para: outros governos serão atraídos para essa noção de uma internet bloqueada? Haverá uma versão russa da internet? Uma versão indiana da internet?

E então a pergunta se torna: e a Europa e o RGPF [Regulamentação Geral sobre a Proteção de Dados]? As empresas e plataformas já precisam apresentar serviços diferentes para os usuários na Europa. Até que ponto veremos a internet se dividir em uma galáxia de diferentes “internets”, com base nas leis locais e até mesmo nos costumes? Plataformas e empresas já tinham que decidir se, e de que maneira, tentariam fazer negócios na internet da China. Até 2030, será uma questão de fazer essa escolha caso a caso, país a país?
Por outro lado, a “internet ocidental aberta” já foi, em grande parte, consumida pelas principais plataformas de qualquer maneira. Não vejo esse processo ficar mais lento tão cedo. De fato, todo o objetivo do oligopólio que está no topo da internet é estrangular qualquer concorrente (leia-se: inovação; leia-se: interrupção). Pelo jeito que as coisas andam, acho que minha resposta geral é de extremo pessimismo. Em 2030, poderemos olhar para trás há 10, 15 anos e lembrar da era de ouro da internet?

“Até que ponto veremos a Internet se fragmentar em uma galáxia de diferentes ‘internets’ com base nas leis locais e até nos costumes?”

Sarah Ann Oates

Professora e pesquisadora sênior de jornalismo da Universidade de Maryland, cujas pesquisas se concentram na mídia e democratização, especialmente o papel da internet em estados não-livres

Embora a conexão com a internet tenha se tornado muito mais direta e automática em 2030, o público online global será dividido em clãs e tribos. Algumas dessas tribos terão natureza nacional, especialmente quando regimes autoritários isolam seus cidadãos em plataformas nacionais limitadas. Isso já está acontecendo em países como a China, mas também ocorrerá quando as pessoas se afastarem de grandes plataformas genéricas de mídia social e se envolverem mais com grupos de afinidade. Haverá um aumento de micro-influenciadores à medida que as pessoas investem mais tempo e atenção em seus próprios interesses particulares. Em outras palavras, as pessoas estão menos interessadas em uma internet genérica e muito mais orientadas para comunidades e experiências online menores e mais íntimas.

2019 já viu o fim da privacidade, não apenas em termos de inúmeras violações de dados, mas também porque percebemos que nosso comportamento online cria uma identidade distinta e reconhecível. Espera-se que 2030 também traga o fim do anonimato online, já que o anonimato é impossível em uma esfera na qual seu comportamento online é tão distinto quanto uma impressão digital. Embora o reconhecimento do fim do anonimato possa ser doloroso para alguns usuários que gostam de alterar ou assumir identidades online, isso pode significar comportamentos menos indesejáveis, como trollagem e fraudes online. Isso significa que não haverá mais revelações de choque do tipo Ashley Madison e mais comportamento cívico.

A privacidade está morta, vida longa à personalização.

“As pessoas estão menos interessadas em uma internet genérica e muito mais orientadas para comunidades e experiências online menores e mais íntimas”.

Nicole Starosielski

Professora Associada de Mídia, Cultura e Comunicação da Universidade de Nova York, cuja pesquisa se concentra na distribuição global de mídia digital e a relação entre tecnologia, sociedade e ambiente aquático. Ela é autora de The Undersea Network.

Em 2030, a internet estará submersa. É verdade que grande parte da internet já está submersa – viajando através de cabos de fibra óptica que transportam quase todo o tráfego transoceânico. E os cabos ainda serão a base da internet global em 2030. Mas amplas áreas da arquitetura da internet que nunca foram submersas – cabos terrestres, data centers e escritórios de provedores de internet – serão afetados pelas mudanças climáticas. Os efeitos disso não serão simplesmente interrupções. A mudança climática e o custo econômico de mitigá-la se transformarão em conteúdo. O que já é um sistema de várias camadas se tornará ainda menos democrático ou rizomático. Quem puder pagar terá acesso a redes de backup e arquiteturas resistentes. Quem não puder, sacrificará sua privacidade e autonomia para se conectar. A base desse sistema já está em vigor. Levará apenas uma década de tempestades catastróficas para concretizá-lo completamente.

“Em 2030, a internet será debaixo d’água.”

Melissa Terras

Professora do Patrimônio Cultural Digital na Universidade de Faculdade de Artes, Humanidades e Ciências Sociais de Edimburgo e Diretora do Centro de Edimburgo para Dados, Cultura e Sociedade

Conforme a internet chega aos seus 60 anos, e a World Wide Web passa dos 40 anos, os primeiros dias de ausência de regulamentação, criatividade computacional, liberdade de movimento digital e acesso igual às redes parecerão história antiga.

Aqueles que se lembram dos primórdios da World Wide Web, em grande parte, vão lembrar de uma era em que os Geocities parecerão uma terra de conto de fadas para contar aos netos. É provável que, em seu lugar, tenhamos um ambiente digital cada vez mais bloqueado, onde os usuários também entendam que todas as atividades que realizam podem e serão rastreadas e monetizadas. Como vimos nos últimos anos, a construção e a hospedagem de plataformas para armazenar conteúdo se tornarão cada vez mais complexas e, portanto, caras, resultando em um bloqueio adicional de oportunidades para o desenvolvimento de tecnologia para o bem social, se isso não estiver em conformidade com modelos dominantes de financiamento da economia capitalista de vigilância.

O que eu gostaria é que tenhamos encontrado maneiras de lidar com o pior do comportamento humano que temos visto nas mídias sociais nos últimos anos, com uma série de freios e medidas introduzidos para identificar e impedir o assédio moral e o assédio indesejados, de uma maneira que não sufoque o debate quando for bem-vindo. Eu gostaria que houvesse ferramentas de mídia social menos contundentes, sobre as quais os usuários possam assumir o controle, permitindo interações significativas. Eu gostaria que as organizações sem fins lucrativos que governam a internet recebessem mais poderes legais para intervir em questões éticas e para desafiar o domínio do grande comércio. Eu gostaria que a cultura e a história humanas tivessem igual precedência na internet para transações financeiras e que a construção de conexões humanas significativas estivesse no centro do desenvolvimento tecnológico. Eu gostaria que a experiência comunitária em rede fosse utilizada de maneiras inovadoras para enfrentar as mudanças climáticas e a crise ambiental. Eu gostaria que houvesse maior diversidade em tecnologia e seus produtos. Eu gostaria que isso fosse financiado por impostos sobre a rede no grande comércio e nos setores financeiro e de tecnologia.

Na falta disso (todas elas oportunidades que precisamos começar a explorar agora se quisermos que elas aconteçam), veremos crescentes porções da sociedade que evitariam a internet e seus caminhos invasivos: recusantes que encontram maneiras de permanecer fora da rede. Apesar dos grandes objetivos e promessas iniciais para a sociedade, a internet pode ter se consumido até 2030 e ser rebaixada para um conjunto de serviços prescritos, em vez da área de recreação e da estrutura de apoio que poderia ter sido. A WWW dos anos 90 era ótima, mas você tinha que estar lá.

“É provável que… tenhamos um ambiente digital cada vez mais bloqueado, onde os usuários também entendam que todas as atividades que realizam podem e serão rastreadas e monetizadas”

Sally Wyatt

Professora de Culturas Digitais na Maastricht University, Holanda , cujo trabalho se concentra no que as tecnologias digitais significam para que as pessoas encontram e entendem as informações de saúde e como as ciências estão mudando. Ela também é diretora do programa interdisciplinar Sociedade Digital, e co-autora de Cyber Genetics: Health Genetics and New Media

Onze anos é muito tempo na vida da internet. Se voltarmos a 2008, muitos especialistas ainda estavam defendendo que a internet só poderia trazer coisas boas – democracia para países que sofrem sob regimes autoritários, novas formas de trabalho e organização que trariam maior flexibilidade para trabalhadores e consumidores, enormes possibilidades criativas para ambos os amadores quanto os profissionais. Se voltarmos a 1997, a internet ainda era relativamente nova para os consumidores comuns, tendo sido lançada para o público geral apenas alguns anos antes. Nesse ponto, muitos governos estavam investindo na infraestrutura e estavam preocupados com a melhor forma de superar as divisões digitais que pudessem surgir.

Agora, a maioria dos especialistas reconhece que tudo é mais complicado. A internet pode ser usada por diferentes partidos e regimes políticos, nem sempre no interesse da abertura e da democracia. Muitos mais milhões de pessoas têm acesso à internet do que há 22 anos, mas nem todas a usam para se informar sobre sua saúde ou para expressar sua criatividade. Alguns o usam para fins criminosos ou como um dispositivo de procrastinação infinito.

Quem sabe como será em 2030? Alguns dias temo que viveremos em um mundo pós-apocalíptico no qual muitos dos ganhos sociais, políticos e tecnológicos do século 20 serão perdidos e que a internet terá desempenhado um papel importante na criação desse desastre. Ela terá acelerado o desastre climático por seu crescimento contínuo e pelas enormes necessidades de energia de bitcoin, inteligência artificial e big data. Também terá contribuído para o colapso da confiança entre indivíduos e entre países, através da disseminação de informações erradas e da maior qualidade das deep fakes.

Em dias mais otimistas, espero que as promessas e o potencial da internet sejam cumpridos. Mas isso não vai acontecer por conta própria. Os governos precisam levar a sério suas responsabilidades para legislar sobre o poder econômico e político de algumas empresas. Embora a internet traga novos desafios éticos e legais, já existe muita legislação que poderia ser implementada, talvez não universalmente, mas em algumas jurisdições locais, nacionais e supranacionais. Existem muitos exemplos de leis que lidam com discurso de ódio, sonegação de impostos, abuso de poder de monopólio, privacidade e direitos humanos. Mas aplicar essas leis à internet e às inúmeras atividades que ela permite exige que legisladores e cidadãos aprendam muito mais sobre como a internet funciona e o que é possível, legal e tecnicamente.

As tecnologias, incluindo a internet, refletem os valores e prioridades das sociedades em que são desenvolvidas. As sociedades possuem as tecnologias que merecem. Cabe a nós – individual e coletivamente – criar, projetar, usar e avaliar as tecnologias. Às vezes, precisamos escolher o contrário e, às vezes, até rejeitar o que está sendo oferecido.

“Alguns dias, temo que viveremos em um mundo pós-apocalíptico, no qual muitos dos ganhos sociais, políticos e tecnológicos do século 20 serão perdidos e que a Internet terá desempenhado um papel importante na promoção desse desastre”.

Thomas Hazlett

Professor de Economia e diretor do Projeto Economia da Informação na Universidade de Clemson

A internet comercial com apenas vinte e cinco anos de idade já está se encaminhando para uma crise de meia-vida. A doença prematura é profunda, hormonal. Não preciso listar as pragas de gafanhotos que contamos em nosso sono inquieto. Você os conhece bem – como o Google, Facebook e a República Popular da China compartilharam comigo secretamente.

O que esperar em 2030, daqui a uma década? Eu tremo ao adivinhar, e meu primeiro passo é o contrário. Há uma década, por volta de 2010, nosso mundo estava cheio de esperança e mudança digital, clamando o triunfo da internet, recebendo um presidente americano transformador. E então, em 2000, quando o “gigante da tecnologia” foi anunciado na fusão da AOL-Time Warner, acabou a competição online como o mundo o conhecia.

Esses momentos esmagadores da história acabaram por se mostrar superestimados. Mas eu continuo firme no chute.

A internet de 2030 superará o mundo online de hoje na mesma margem em que a Netflix supera a Blockbuster. A janela da internet de ontem era um painel em cima da mesa; agora é uma tela móvel; 2030 será um sensor na sua parte favorita do corpo. Isso é: na maioria das vezes uma coisa boa. Está surgindo uma idade de ouro da saúde e exercício físico. Os dados a serem gerados por nossos corpos inteligentes nos tornarão fisicamente robustos e mentalmente saudáveis, em relação à tendência do tempo. A IA se banqueteará, não com os pequenos dados de 2020, mas com galáxias de informação em 2030.

Para chegar lá, seguiremos Tim Cook até metade do caminho. Cook ataca Mark Zuckerberg por jogar sujo e oferece uma solução: pague à Apple todo o seu dinheiro. É a imagem do Facebook onde o portão está totalmente aberto, mas você derrama suas informações ao entrar e, portanto, compartilha todos os seus pensamentos. O confronto de tais modelos, com suas barganhas rivais e curadores concorrentes, levará a uma descoberta e solução. Nossa crise de meia-idade será abraçada por uma feliz aposentadoria precoce. Espero que o futurista norte-americano Ray Kurzweil esteja lá para comemorar. E estou tomando minhas multivitaminas diariamente na esperança de um dia me juntar a ele.

“A internet de 2030 superará o mundo on-line de hoje na mesma margem em que a Netflix supera a Blockbuster”.

Christian Fuchs

Professor de Estudos de Mídia e Comunicação da Universidade de Westminster, Diretor do Instituto de Comunicação e Pesquisa de Mídia e autor de 500 publicações, incluindo os livros Social Media: Uma Introdução Crítica, Demagogia Digital: Capitalismo autoritário na Era Trump e Twitter e Relendo Marx na Era do Capitalismo Digital

A internet e a sociedade interagem. A aparência da internet em 2030 depende de como a sociedade se desenvolverá. A história é a história das lutas de classes e sociais, e é por isso que o futuro não é determinado e é relativamente aberto. Tudo depende da práxis humana. O futuro da sociedade e a internet variam em um contínuo em que as distopias formam um fim e as utopias concretas outro. Estamos em uma crise que apresenta as alternativas entre a barbárie e o socialismo.

Se as tendências atuais de nacionalismo e autoritarismo continuarem e se intensificar, o futuro será guerra e fascismo. Em uma internet fascista em uma sociedade fascista, haverá constante propaganda da direita sobre plataformas de monopólio corporativo e plataformas controladas pelo Estado, o entretenimento manterá as massas apolíticas e silenciosas, não haverá democracia e liberdade de expressão, qualquer a oposição política – incluindo vozes alternativas e críticas na internet – será esmagada pela violência. Na internet fascista, há uma combinação de vigilância corporativa e estatal.

Para evitar um futuro tão distópico, os humanos precisam lutar pelo socialismo democrático. O socialismo é sempre democrático, caso contrário, não é socialista. Em uma internet socialista na sociedade socialista, encontramos plataformas de serviço público independentes do estado e das empresas, assim como cooperativas de plataforma, organizações autogerenciadas da internet que pertencem e são controladas por trabalhadores e usuários. Sob condições socialistas, há acesso igualitário à educação e desenvolvimento de habilidades e o tempo de trabalho é radicalmente reduzido para que os humanos tenham tempo, espaços e habilidades disponíveis que permitam que todos se desenvolvam como um indivíduo crítico e criativo. Esses indivíduos usarão a Internet de maneiras críticas e criativas, para que surja uma pluralidade dinâmica de novas iniciativas e projetos sociais apoiados pela comunicação presencial e mediada pela Internet.

O futuro da sociedade e da internet pode assumir qualquer forma situada no contínuo entre a barbárie e o socialismo. Em 1915, Rosa Luxemburgo escreveu que “[b] a sociedade burguesa está na encruzilhada, seja na transição para o socialismo ou na regressão à barbárie”. Mais de 100 anos depois, a sociedade e a Internet estão em uma encruzilhada semelhante em tempos de crise e bifurcações.

“Se as tendências atuais de nacionalismo e autoritarismo continuarem e se intensificar, o futuro será guerra e fascismo… Na Internet fascista, há uma combinação de vigilância corporativa e estadual.”