Um novo projeto de lei de autorização da Câmara dos EUA quer atrasar o prazo da NASA para levar seres humanos à Lua até 2028 em vez de 2024, ao mesmo tempo em que pede um pouso tripulado em Marte em 2033. As reações a essa proposta foram variadas, com o chefe da NASA, Jim Bridenstine, infeliz com a forma como a agência deveria executar este plano recomendado.

O projeto de lei de autorização, chamado de Lei Nacional de Autorização da Administração Aeronáutica e Espacial de 2020, foi apresentado pelo Comitê de Ciência, Espaço e Tecnologia da Câmara em 24 de janeiro, relataSpaceflight Now.

O documento de 102 páginas recomenda que o primeiro pouso lunar de Artemis com tripulação ocorra em 2028, em vez de 2024, que é o prazo atual e controverso. Ao mesmo tempo, o Comitê da Câmara propõe uma linha do tempo bastante agressiva para a exploração de Marte, na qual astronautas norte-americanos chegariam à órbita marciana em 2033, seguidos logo depois por uma missão à superfície.

A legislação bipartidária foi introduzida pela representante Kendra Horn (D-Oklahoma), que preside o subcomitê de espaço e aeronáutica do comitê. Está prevista uma sessão para amanhã, quando o documento poderá sofrer alterações substanciais. Provavelmente, levará meses para que ocorra uma votação para promulgar a legislação proposta, também conhecida como HR 5666.

A razão principal das mudanças recomendadas é posicionar o programa lunar Artemis como um passo inicial para o objetivo maior de enviar pessoas para Marte. O “objetivo de exploração espacial humana dos EUA deve ser o de enviar seres humanos para a superfície de Marte”, de acordo com o projeto de lei proposto. Ao mesmo tempo, serão necessárias missões à Lua para reduzir riscos e demonstrar as “capacidades e operações necessárias para apoiar uma missão humana em Marte”.

No ano passado, a NASA disse que uma missão a Marte até 2033 era uma possibilidade distinta, mas esse projeto de lei de autorização transformaria a especulação e a ilusão em um plano concreto.

O objetivo especificado do programa pendente “Lua para Marte”, como é denominado no projeto de lei, será “ pousar humanos em Marte de maneira sustentável o mais rápido possível”, com o “objetivo provisório de enviar uma missão tripulada para a superfície lunar até 2028 e o objetivo de enviar uma missão tripulada para orbitar Marte até 2033”.

Entre outras recomendações, o projeto especifica que o módulo de aterrissagem lunar Artemis será lançado como um componente único, em vez de uma embarcação modular de várias peças que seria construída no espaço. A NASA manteria a propriedade total do sistema de pouso lunar de Artemis, o que seria uma mudança drástica nos planos, já que a agência espacial está atualmente solicitando propostas do setor privado.

O projeto de lei HR 5666 renovaria o compromisso da NASA com o projeto Lunar Gateway, mas propõe que o posto avançado não seja colocado na órbita lunar, mas no ponto de Lagrange Terra-Lua – um ponto gravitacional entre a Terra e a Lua. Nesse local, o terminal habitável poderia apoiar missões à Lua e Marte, de acordo com o projeto, que não descartou a possibilidade de uma órbita lunar.

O projeto de lei pede o estabelecimento de um escritório do programa “Lua para Marte”, completo com seu próprio diretor, e uma Iniciativa Tecnológica para Marte, com o “objetivo de desenvolver e testar as tecnologias e capacidades necessárias para uma missão humana em Marte”. Os itens na lista de tarefas pendentes incluem o desenvolvimento de motores de propulsão, sistemas de pouso em Marte, proteção contra radiação, um veículo de transporte em Marte, sistemas de suporte à vida, habitats marcianos e roupas espaciais para exploradores, entre outras necessidades tecnológicas.

Dada a linha do tempo agressiva, a NASA precisaria configurar seu escritório de “Lua para Marte” dentro de 60 dias após a promulgação da lei, desenvolver uma arquitetura e um plano geral da missão dentro de 120 dias e enviar orçamentos estimados dentro de 240 dias, de acordo com a proposta de lei.

A NASA também teria que providenciar duas missões lunares tripuladas a cada ano após o pouso inaugural em 2028, além de criar um plano para desmantelar a Estação Espacial Internacional (ISS) e considerar possíveis substituições, incluindo contribuições do setor privado.

O projeto também afirma que a NASA deve garantir o acesso da tripulação à ISS e atualizar e substituir trajes espaciais da ISS, incluindo peças sobressalentes, para “acomodar a diversidade da tripulação da ISS”, em uma resposta óbvia a um desastre no ano passado em que uma caminhada espacial de mulheres foi cancelado porque não havia roupas suficientes disponíveis para a tripulação feminina. Outros itens do projeto de lei incluem o desenvolvimento de tecnologia para defesa, o monitoramento das mudanças climáticas, novos telescópios e até a busca por inteligência extraterrestre.

Em uma declaração da NASA divulgada na segunda-feira, 27 de janeiro, o diretor da agência Jim Bridenstine expressou algumas preocupações sobre a proposta.

“Estou preocupado que o projeto imponha algumas restrições significativas à nossa abordagem à exploração lunar”, disse Bridenstine. “Como vocês sabem, a NASA promoveu com sucesso o desenvolvimento de uma economia comercial em rápida expansão para o acesso ao espaço. Gostaríamos de continuar promovendo esse sucesso à medida que desenvolvemos as arquiteturas de missão e as abordagens de parceria mais eficientes para atingir nossos objetivos comuns”.

Bridenstine está preocupado, principalmente, com a abordagem proposta para a construção do módulo lunar. Um sistema de aterrissagem operado por e de propriedade do governo seria “ineficaz”, disse ele. Em sua forma atual, o projeto de lei impediria a “capacidade da NASA de desenvolver uma arquitetura flexível que aproveite toda a gama de recursos nacionais – governo e setor privado – para atingir objetivos nacionais”, afirmou. Consequentemente, o chefe da NASA espera “algumas modificações” na legislação pendente.

Como a SpaceNews relata, alguns membros do setor privado também não ficaram satisfeitos com o projeto de lei:

Em uma carta de 27 de janeiro aos quatro co-patrocinadores do projeto, Eric Stallmer, presidente da Commercial Spaceflight Federation, fez críticas ainda mais fortes, dizendo que ele “exclui explícita e injustamente a participação da indústria comercial norte-americana de voos espaciais, impedindo irracionalmente a concorrência justa das iniciativas de exploração espacial da NASA”. Stallmer pediu ao comitê que revogasse o projeto e “se envolvesse em um processo totalmente transparente” com todas as partes interessadas.

Dito isso, o projeto parece ter seus apoiadores, incluindo a The Coalition for Deep Space Exploration (uma organização que apoia a indústria espacial privada) e a Aerospace Industries Association (uma associação comercial dos EUA), de acordo com a SpaceNews.

Acompanharemos a sessão da Câmara agendada para amanhã para ver como esse projeto de lei pode ser modificado e para entender as próximas etapas, como quando uma votação pode ocorrer. Independentemente disso, o governo dos EUA tem grandes planos para a NASA nas próximas décadas, pois a próxima era da exploração espacial humana parece ser iminente.