A China ultrapassou um marco sombrio no fim de semana, já que mais pessoas na China continental morreram agora do coronavírus recém-descoberto do que durante o surto de SARS (síndrome respiratória aguda grave), que também começou na China há quase duas décadas. Casos em outros países também estão aumentando a cada dia.

Tanto a SARS como o 2019-nCoV, comumente chamado vírus de Wuhan, são germes em forma de bola com espinhos, conhecidos como coronavírus. Existem vários outros coronavírus que rotineiramente infectam e adoecem pessoas. Mas, como a SARS, acredita-se que o 2019-nCoV tenha pulado recentemente de animais para pessoas, com resultados mortais.

Até 3 de fevereiro, pelo menos 17.000 casos de 2019-nCoV foram relatados na China continental, juntamente com outros 22.000 casos suspeitos. Também foram registradas 361 mortes – pouco mais de 349 mortes foram registradas na China continental durante o surto de SARS de 2002-2003.

Por fim, o surto de SARS infectou mais de 8.000 pessoas e matou mais de 750 em todo o mundo antes de ser contido, atingindo uma taxa de mortalidade de 10%. No momento, pelo menos, a taxa de fatalidade para 2019-nCoV está pairando em torno de 2%. A contagem oficial provavelmente representa as doenças mais graves, pois as pessoas que não adoecem podem não perceber que possuem o novo vírus, portanto, é possível que a verdadeira taxa de mortalidade seja menor. Mas mesmo que o coronavírus permaneça menos mortal, ele já está se espalhando muito mais do que a SARS.

A Organização Mundial da Saúde relata que, em 3 de fevereiro, houve mais de 150 casos fora da China em mais de 20 países. Na segunda-feira, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças relataram que os EUA tinham 11 casos documentados. Até o momento, esses casos fora da China envolveram principalmente pessoas que retornavam de áreas afetadas da China, mas também houve incidentes isolados de transmissão humana local. No domingo, as Filipinas informaram que um morador de 44 anos morreu com o vírus, fazendo dele a primeira morte fora da China.

Os cientistas continuam pesquisando e rastreando as origens do vírus. Existem evidências que sugerem que o vírus pode ter adoecido as pessoas no início de novembro, antes da onda inicial de casos ligados ao mercado de alimentos em Wuhan. Mas não está claro como e se esses primeiros casos estão conectados um ao outro. Outras pesquisas continuam a fortalecer a teoria de que o vírus é um primo muito próximo da SARS e surgiu de morcegos. Também existem evidências encorajadoras de que medicamentos antivirais já disponíveis podem ser usados ​​para tratar casos graves, e pelo menos uma dúzia de diferentes programas de potenciais vacinas estão em andamento.

Apesar dessas pequenas vitórias, a possibilidade de que esse surto possa se tornar uma epidemia generalizada ou mesmo uma pandemia ainda se aproxima. Na semana passada, a Organização Mundial da Saúde declarou uma emergência internacional de saúde pública, a fim de ajudar a impedir que isso aconteça.

Por enquanto, porém, as pessoas que vivem fora da China devem se preocupar mais com a gripe sazonal do que com o coronavírus de Wuhan.