Há três décadas, quando trabalhava na Associação Real de Cães Guia da Austrália, Wally Conron criou um cão-guia que pudesse viver em um lar com uma mulher cega e seu marido alérgico. Quase imediatamente ele percebeu que a sua criação, o Labradoodle (uma mistura de labrador com poodle), era uma monstruosidade.

Conron, que era gerente de cruzamentos, recebeu o pedido de uma mulher cega da Havaí. “Ela queria saber se conseguiríamos criar um cachorro que ela pudesse usar como cão-guia e que o seu marido não sofresse com alergia”, disse Conron ao podcast da ABC News da Austrália.



De primeira, ele pensou que um poodle comum seria a resposta para o dilema, mas nenhum dos poodles que ele tentou treinar tinha o temperamento necessário para ser um cão-guia. Depois de três anos tentando ajudar a mulher, ele finalmente teve a ideia de cruzar raças de “um cão com a habilidade de um labrador com a pelugem de um poodle”, disse.

Em 1989, ele apresentou uma fêmea labrador para o poodle de seu chefe e, nove semanas depois, a cachorrinha deu luz a três labradoodles.

Um dos filhotes, chamado Sultan, foi para o Havaí, mas Conron teve dificuldade para encontrar responsáveis para os outros dois cães. Ele pediu ajuda para o departamento de publicidade de sua organização. “Eu disse, ‘você pode ir até a mídia e dizer a eles que criamos uma raça especial? A raça se chama labradoodle – e não afeta alérgicos'”, recordou Conron.

A popularidade surpreendeu Conron, que nem tinha pensado sobre a aparência da raça quando a criou. “Na época, eu não me importava sobre a aparência, e sejamos francos, a pessoa cega nem conseguiria vê-lo de qualquer maneira. Por que as pessoas queriam reproduzi-los eu não sei”, disse ele.

“Percebi o que eu tinha feito em questão de alguns dias”, disse Conron à ABC. “Então eu procurei o chefão da época e disse para ele ‘veja, eu criei um monstro. Precisamos fazer algo a respeito para controlar isso. Precisamos colocar uma patente no nome para impedir que as pessoas entrem nessa onda'”.

Conron lembra que seu chefe tentou registrar o nome “labradoodle”, mas não conseguiu.

“Eu abri a caixa de pandora e soltei o monstro de Frankenstein”, disse. “Essas pessoas antiéticas, impiedosas – que criam esses cães e os vendem por muita grana – são o meu maior arrependimento“.

Assim como a criação de Victor Frankenstein, os labradoodles ainda atormentam Conron, já que ele nunca sabe quando eles aparecerão em sua vida.

“Quando estou na rua e vejo esses labradoodles, não consigo evitar, fico com eles na minha cabeça”, disse Conron. “Eu os vejo me perguntando se eles têm displasia, se têm problemas na junta das patas ou quaisquer outros problemas que eu possa enxergar. Acho que a maioria deles são doidos ou possuem problemas hereditários”.

O Conron também recebe ligações de outras pessoas que lhe contam sobre as suas próprias atrocidades. Ele se lembra de um telefonema que recebeu há alguns anos de uma pessoa que lhe disse que criou o primeiro “roodle”.

“Eu disse, ‘o primeiro roodle?’ e ele respondeu ‘sim. Um rottweiler cruzado com um poodle comum”, contou Conron. “E eu pensei comigo mesmo: foi isso o que eu criei. Quão estúpido precisa ser para criar um cruzamento com um Rottweiler?”