A Cyanogen, empresa por trás da conhecida ROM CyanogenMod e do sistema operacional usado no OnePlus One, quer ser ainda mais independente do Android criado pelo Google. Estas são as palavras do CEO da Cyanogen, Kirt McMaster: “estamos tentando levar o Android para longe do Google.”

Muito ousado, Kirt. Muito ousado.

McMaster fez esta declaração durante o evento “A Próxima Fase do Android”, realizado pelo site The Information em San Francisco (EUA). Basicamente, McMaster quer viver em um mundo onde o Android é uma plataforma totalmente aberta até o núcleo, para que mais desenvolvedores possam criar serviços e plataformas altamente integradas ao sistema operacional.

Como aponta o Android Authority, o Google Now seria um exemplo de aplicativo que nenhum outro desenvolvedor poderia sequer sonhar em criar na plataforma Android. Ele exige uma integração muito profunda ao sistema, algo que o Google não permite a apps de terceiros.

McMaster e a Cyanogen querem resolver isso, criando uma plataforma baseada em Android na qual qualquer pessoa pode desenvolver, não importa se eles quiserem ir bem fundo no OS.

Como isso afeta o relacionamento deles com o Google? Bem, a empresa proíbe o uso de seus serviços oficiais – como a Play Store e apps do Gmail, Maps etc. – em variações (forks) do Android. A Amazon mostra que não é impossível ter sucesso com uma variante do robozinho – ajuda o fato de ela ter uma loja própria de apps.

A Cyanogen também aproveitou a oportunidade para anunciar planos de criar sua própria loja de aplicativos dentro dos próximos 18 meses.

Não é a primeira vez que a Cyanogen se revolta contra o Google. Em agosto, McMaster falou ao Re/code sobre “a tirania do Google”, sem entrar em detalhes: ele apenas disse que “todos no mundo querem um Android mais aberto”.

De todos os smartphones Android vendidos no mundo, 40% usam uma variante do sistema sem o aval – e os serviços – do Google. Eles são bastante populares especialmente na China. McMaster acredita que essa proporção pode subir para 50% a 70% nos próximos anos.

A ideia é intrigante. No curto prazo, a Cyanogen vai continuar a seguir os passos do Google. Mas, como diz McMaster: “hoje a Cyanogen depende um pouco do Google. Amanhã, não dependerá. Nós não seremos baseados em algum derivado do Google em três a cinco anos.” [The Information via Android Authority]